Home Ativismo Cerca de 900 pessoas se reúnem pela legalização da Cannabis em BH

Cerca de 900 pessoas se reúnem pela legalização da Cannabis em BH

Cerca de 900 pessoas se reúnem pela legalização da Cannabis em BH 1 5.00/5

O evento não defendeu somente o uso recreativo da maconha, mas sim a planta cannabis e seus usos em diferentes áreas.

Organizado como um festival, com bandas de reggae, rock e rap, jovens se reuniram na tarde deste sábado (30), debaixo do viaduto Santa Tereza, no Dia pela Legalização da Cannabis. Além da música, o evento contou com duelo de MCs, intervenções artísticas e palestra. Articulado nas redes sociais, em especial no Facebook, o encontro reuniu 900 pessoas, segundo a organização.

Na página oficial do evento, os organizadores pediram ao público para que não levasse e fumasse maconha durante a realização, porque a droga ainda não é legalizada. Mas muitos ignoraram o pedido. Na plateia da arena montada em frente à Serraria Souza Pinto, muitos participantes estavam com cigarros da droga acesos. Um deles, um estudante de Ciências Sociais que preferiu não ter o nome publicado, disse apoiar a legalização em respeito à liberdade individual.”

O Uruguai, legalizando a maconha, deu um ótimo exemplo ao mundo. Deveríamos seguir o que está sendo feito lá, mesmo porque é notório que nossas políticas anti-drogas não funcionam, e geram a maior parte dos problemas do tráfico”, disse ele.

Segundo um dos organizadores, Nilo Victor, o evento não defendeu somente o uso recreativo da maconha, mas sim a planta cannabis e seus usos em diferentes áreas. “Lutamos contra o preconceito. A maioria das pessoas não conhece a planta, que pode ser usada para diversos fins, como para curar doenças, uso industrial e ecológico”, afirmou.

Entre os usos destacados por ele é o medicinal, no tratamento de doenças como a depressão, o câncer e a esclerose múltipla. Na indústria, a planta pode ser usada na fabricação de lubrificantes, tintas, cosméticos e tecidos. “Existe muita falta de informação. Mesmo quem usa maconha pode não saber que ela pode ser aproveitada tantas coisas. E se nem quem fuma sabe, imagina quem não tem contato e não procura saber”, concluiu o organizador.

Via O Tempo

Queremos saber a sua opnião

Participe da roda