Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

1170833_477778552317488_1568121316_nA recente legalização da maconha no Uruguai reacendeu, naturalmente, o debate sobre o uso da droga no mundo todo.

Mas Israel Beloch, do grupo Memória Brasil, remexeu o baú da História e mostra que o tema é abordado há muito tempo por aqui e até mesmo no sentido folclórico. O historiador lembra que em “Caatingas e chapadões”, o cientista Francisco de Assis Iglesias descreve que ficou impressionado em suas viagens pelo interior do Maranhão e do Piauí nos idos de 1912 a 1918, há um século, portanto, com o hábito dos sertanejos de fumar maconha, lá conhecida como diamba.

Leia também:  Exposição inédita no Brasil conta a história da maconha na Matilha Cultural

No livro, Iglesias relatou a multiplicação de verdadeiros “clubes de diambistas”, cujos efeitos maléficos criticou acerbamente. Num deles, recolheu a seguinte cantoria entoada no barato coletivo:

 

 

“Ó diamba, sarabamba!/

Quando eu fumo a diamba/

Fico com a cabeça tonta,/

E com as pernas zamba/

Fica zamba, mano?/

Dizô! Dizô!”

 

Na minha terra…
Israel Beloch lembra ainda o escritor e psiquiatra sergipano Garcia Moreno, cujo trabalho foi citado por Câmara Cascudo, no seu “Dicionário do folclore brasileiro”.

Veja o que Garcia, que é autor de livros como “Aspectos do maconhismo em Sergipe”, de 1946, e “O sexo da maconha”, de 1948, diz:

Leia também:  Apenas outra erva - Chefes aprendem a cozinhar com maconha

“A maconha tem seus segredos e técnicas até na colheita. Há os pés machos e fêmeas. Os machos de nada servem. Colhê-los assoviando ou na presença de mulher menstruada troca o sexo da planta, a planta fêmea ‘macheia’ e perde as virtudes.”

Ah, bom!

Via Coluna do Ancelmo Gois – Jornal O Globo “Gois de Papel”

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here