Você está lendo

Alasca se tornou o 3º estado americano a legalizar a maconha para fins recreativos

Legalização da maconha entra em vigor no Alasca, mas consumo da erva só pode ser em ambientes privados. Repórter que se demitiu ao vivo foi uma das entusiastas de campanha. As informações são do G1.

O Alasca se tornou nesta terça-feira (24) o terceiro estado norte-americano a legalizar o uso recreativo da maconha, mas os defensores da legalização não esperam a realização de grandes celebrações, visto que permanece ilegal o consumo público da erva.

Na maior cidade do estado, Anchorage, policiais estão prontos para começar a distribuir as multas de US$ 100 previstas, para garantir que o consumo permaneça sendo feito entre portas fechadas.

O Alasca se juntou aos estados de Washington e Colorado a ter o consumo de maconha legalizado.

Uma das envolvidas na campanha pela legalização foi a repórter Charlo Greene. Ela trabalhava em um canal de TV do Alasca e pediu demissão ao vivo em setembro. Na época, ela soltou um palavrão no ar, e disse que fez isso com objetivo de trazer luz ao debate em favor da legalização da maconha no estado.

Leia também:  Mãe canadense enfrenta dilema legal para dar maconha a filho epilético de 6 anos

Greene, que trabalhava na emissora “KTVA”, um canal filiado à “CBS”, tinha terminado de apresentar uma notícia sobre o uso de maconha medicinal em Anchorage (Alasca), quando revelou que ela mesma era a proprietária do local.

“Dedicarei todas minhas forças em lutar pela liberdade e justiça, que começa por legalizar a maconha no Alasca. Para isso, não tenho mais alternativas do que deixar o programa. Estou indo embora”, disse ao vivo a jornalista.

alaska-marijuana_fran-1
Peter Lomonaco, co-fundador do Alaska Cannabis Club, acende cigarro de maconha de Charlo Greene, CEO do clube, em foto de 20 de fevereiro (Foto: Mark Thiessen/AP)

Em novembro, os eleitores aprovaram a legalização com 53% dos votos a favor.

A medida entrou em vigor, entretanto, apenas nesta terça. A partir de agora, os adultos que vivem no estado podem não apenas consumir e ter maconha em sua posse, mas também podem transportá-la, cultivá-la e dá-la a outras pessoas.

Leia também:  Jornal El País opina pela regulamentação das drogas

Uma segunda fase do processo, que criará um mercado regulado e taxado, não começará antes de 2016.

Enquanto a posse de maconha não é mais um crime no estado, consumir a droga em público renderá mula de US$ 100.

Pontinha

SmokeBud é a sua referência sobre maconha no Brasil e no mundo. Aperte e fique por dentro do que acontece no Mundo da Maconha. http://www.smkbd.com
medico maconha

Um comentário

  1. Já é um bom começo! Quem dera se aqui no nosso país tivéssemos algum tipo de mentalidade a respeito de legalizar da forma como fez o Alasca. Limitou o consumo de alguma forma, mas só de saber que o seu pé de maconha para o seu próprio consumo no seu quintal não será mais proibido já seria mágico!!!

Comente

Escreva seu comentário