Um dos programas mais famosos da grande emissora viaja pela Holanda mostrando as belezas e tradições do país dos moinhos e das cores de Van Gogh. Como o foco de seu turismo não é voltado apenas para as bicicletas e flores, a equipe do Globo Repórter visitou Amsterdã e mostrou as atrações mais procuradas pelos turistas, as vitrines de luzes vermelhas do ‘Red Light District’ e é claro a maconha.

Laranja era usada para avisar quando a polícia chegava

Mesmo antes da década de 80, a maconha passou a ser tolerada na Holanda. Henk, dono do primeiro cofee shop (‘The Bulldog’), conta que, antes quando era proibido usar maconha, tinham um método simples para esconder a droga: uma laranja era jogada por um duto até o subsolo onde fica o espaço para degustação da erva, esse era o alerta para avisar a chegada da polícia. A maconha ficava escondida debaixo de um banco e no teto.

Hoje, nos cafés de Amsterdã, é possível fumar e comprar até cinco gramas de maconha por dia. Um especialista no assunto explica que, dessa forma, a polícia se concentra no combate ao tráfico de drogas pesadas, como cocaína e heroína.

A maconha, apesar de ser liberada nos cafés, ainda não é legalizada no país.

Apesar de breve, confira a pequena amostra de uma Amsterdã na óptica ‘global’:

//vimeo.com/101795861