A reunião da diretoria colegiada da Anvisa  acontece hoje e será acompanhada por pais com filhos em tratamento com CBD. O assunto veio à tona depois que substância foi usada para tratar convulsões da pequena Anny Fischer. As informações são da EBC e Poder Online

O futuro do canabidiol (substância derivada da maconha) no Brasil deve ser definido nesta quinta-feira (29), durante reunião da diretoria colegiada da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), a parir das 10h. Os diretores devem decidir se a substância passará a integrar a lista de classificação C1, que permitirá a prescrição e a importação do composto em forma de medicamento.

Acompanhe ao vivo a reunião na ANVISA (compatível apenas com Internet Explorer): //datasus.saude.gov.br/index.php/transmissao-em-tempo-real-8

Nos últimos dias, o assunto da liberação da substância veio à tona, depois que a família da menina Anny Fischer, 6 anos, importou ilegalmente o canabidiol para tratar as convulsões da criança. Segundo os parentes, com o uso, as crises da menina passaram de 80 por semana para apenas três.

Mães acompanharão na Anvisa decisão sobre importação medicinal da maconha

Otimistas com a possibilidade de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária finalmente liberar a importação de medicamento à base de cannabis, um grupo de mães com filhos em tratamento foram a Brasília acompanhar a reunião desta quinta-feira.

“Em princípio nós importávamos de forma fácil, mas com o tempo a indústria descobriu que no Brasil era proibido e as mães que continuaram a importar tiveram a substância retida na alfândega. Isso prejudicou muito a sequência do tratamento”, explicou Margarete Brito, cuja filha sofre de epilepsia refratária.