Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.
A decisão da ANVISA foi celebrada por muitos, mas não foi o caso da família do garoto, de 15 anos, que mesmo após entrar na Defensoria Pública ainda aguarda pelo fornecimento do canabidiol há três meses.

Como o caso de Gabriel Amaral, que sofre de epilepsia e que a família não pode comprar o extrato, existem vários no país. Situação que demonstra a necessidade e urgência na regulação do cultivo caseiro da maconha, para fins medicinais. Confira o caso. As informações são do G1.

Mesmo após decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de retirar o Canabidiol (CBD), medicamento à base de maconha, da lista de substâncias de uso proibido, a família do garoto Gabriel César do Amaral, de 15 anos, que sofre de um quadro raro de epilepsia, não tem muito o que comemorar. A mãe do adolescente, Valdileia Cristina Vidal, luta pelo direito de ter ajuda na compra do remédio há três meses. O princípio ativo custa em torno de R$ 3,6 mil e dura cerca de 25 dias. Ela entrou com pedido na Defensoria Pública de Piracicaba (SP) e aguarda por decisão desde outubro do ano passado.

A comercialização de medicamentos à base de canabidiol se torna mais fácil. Entretanto, de acordo com a agência reguladora, mesmo com reclassificação do princípio ativo, a importação continuará sendo controlada, mas a substância perde a ‘tarja’ oficial de ilegalidade.

No momento em que recebeu a notícia sobre a decisão da Anvisa, na quarta-feira (14), Valdileia estava no prédio da Defensoria Pública de Piracicaba e aguardava para falar com o advogado que está cuidando do caso de Gabriel devido à falta de solução no caso do filho.

No dia 14 de outubro de 2014, a mãe do menino procurou a instituição para obter ajuda de custo. No mês seguinte, de acordo com o órgão, um mandado de segurança foi enviado aos poderes públicos estadual e municipal para medicamentos e insumos, como fraldas e sondas, fossem fornecidos e o pedido foi aprovado.

A mãe informou disse que recebeu um telegrama, no início de dezembro, sobre a aprovação dos itens para retirada. “Quando cheguei ao Departamento Regional de Saúde de Piracicaba para buscar os medicamentos, dois deles, que são os anticonvulsivantes, não estavam disponíveis”, contou. A Defensoria Pública do Estado de São Paulo disse ao G1 que adotará as medidas judiciais cabíveis para garantir que a decisão judicial seja cumprida.

Batalha

Valdileia explicou que a família não consegue comprar os medicamentos e realizar a manutenção do tratamento de Gabriel sem a ajuda dos órgãos públicos. “Não tenho condições de arcar com as despesas, precisamos de ajuda”, justificou a dona de casa.

Ela estima que o custo do medicamento seja em torno de R$ 3,6 mil por mês. O valor ainda não é oficial, mas Valdileia sabe que não vai conseguir pagar. “Meu filho recebe um auxílio-doença de um salário mínimo e meu marido tira cerca de R$ 1,2 mil com os bicos que faz. Nós temos outros dois filhos e eu ainda cuido da minha mãe, que mora com a gente”, relatou.

Trajetória

Gabriel sofre da Síndrome Mioclônica Infantil, um tipo raro de epilepsia, desde que nasceu. O laudo para o uso do princípio ativo foi dado no final de outubro pela neuropediatra Andrea Gallina, que cuida do garoto.

A decisão, inédita em Piracicaba, foi possível após resolução do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) que permitiu a utilização do Canabidiol em diagnósticos de epilepsias graves em crianças.

Apesar de Gabriel sofrer da síndrome rara desde recém-nascido, a família só chegou ao diagnóstico correto em 2013, de acordo com a mãe. “Até então o caso era tratado como paralisia cerebral. Só no ano passado descobri que, na verdade, ele tem uma doença rara. O uso do Canabidiol será mais uma tentativa de amenizar o sofrimento dele”, afirmou Valdileia.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

pessoas


Curte nossa nova página no Facebook

One comment

  • vai logo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) ANVISA Comissão De Direitos Humanos!!!!vocês nunca agiram e nunca agirão de forma humanitária, imparcial e racional, crianças não podem e nem tem tempo de "esperar"; minha prima de 18 anos, tem que esperar ser liberado o uso; pelo amor de Deus néh!! - Lamentável uma coisa dessas