Cigarro mata, maconha não!

Em uma verdadeira “porta de saída”, levando a uma redução de danos, argentinos trocam o tabaco pela maconha. Apesar da posse continuar sendo ilegal no país, as causas para a mudança de comportamento seriam as campanhas contra o cigarro e uma nova percepção sobre a erva. O dado foi confirmado a partir de levantamentos oficiais. As informações são do Clarín em português.

A prática de fumar cigarro e maconha é a mesma, o que mudou, dizem os especialistas, é a percepção social: fumar tabaco é nocivo para a saúde e as campanhas contra o cigarro contribuíram para deixar isso claro; fumar maconha também é prejudicial, mas o consumo está se tornando natural e parece ser mais tolerado.

Segundo o INDEC (Instituto Nacional de Estatísticas e Censos), em 2005 a proporção de fumadores de tabaco era de 33,3 por cento e no ano passado essa quantidade foi reduzida para 25,14 por cento.

A última Pesquisa Nacional sobre Prevalências de Consumo de Substâncias Psicoativas, também do INDEC, marca que, em 2011, 10,66 por cento dos consultados disseram ter fumado maconha alguma vez; em 2008 essa quantidade era de 6,9 por cento.

Segundo o Observatório de Drogas portenho, em 2007, 16 por cento dos adolescentes do colegial disseram ter consumido maconha alguma vez. Hoje esse número subiu para 24,5 por cento.

Tabaco e maconha são drogas psicoativas que causam impacto no sistema nervoso central. Mas os motivos pelos quais um consumo sobe e o outro desce vão por caminhos diferentes.

Qual é a causa da diminuição do consumo de tabaco? Alejandro Collia, ministro de Saúde da Província responde: “É a aposta que o Estado fez com a lei antitabaco e as campanhas que promovem hábitos de vida saudáveis”. De acordo com o registro do Ministério de Saúde da Nação, no ano passado 37.527 pessoas ligaram para o 0800-999-3040, a linha gratuita para deixar de fumar. Em 2012 tinham ligado 17 mil pessoas a menos.

Sobre a maconha, cuja posse continua sendo ilegal na Argentina, as razões têm a ver com uma mudança de posição em relação ao usuário. “A maconha está em todos os setores sociais. Estamos diante de uma terceira geração de consumidores, o que implica que ela se tornou natural em relação a filhos e netos.

Também se registra que o consumo não produz tantos danos. Isso não significa que nós a recomendamos, mas que é possível fazer a distinção entre usos prazerosos e não nocivos”, diz o sociólogo Alberto Calabrese, diretor da carreira de Especialização em Prevenção e Assistência da Universidade Nacional de Tucumán.