Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A Associação Multidisciplinar de Estudos sobre a Maconha Medicinal (AMEMM) iniciou um amplo trabalho de pesquisa para destacar a importância do CBD para a saúde pública. As informações são da Tribuna da Bahia

Desde dezembro, o uso de uma substância da maconha para fins terapêuticos foi finalmente autorizado pelo Conselho Federal de Medicina, e agora, o canabidiol (CBD) é um das substâncias a fazerem parte do tratamento contra doenças, como a epilepsia refratária, no Brasil. Contudo, a luta para ampliar o acesso à droga para fins medicinais ainda está no início, visto que a substância é solicitada apenas em último caso, tem um acesso restrito a pessoas com um alto poder aquisitivo, e passa por um longo processo burocrático antes de sua importação ser autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Por isso, a Associação Multidisciplinar de Estudos sobre a Maconha Medicinal (AMEMM) iniciou um amplo trabalho de pesquisa para destacar a importância do CBD para a saúde pública. A entidade conta com alguns associados no momento, com profissionais das áreas de medicina, farmácia, direito, sociologia e agronomia.

Ainda em processo de construção, a associação está desenvolvendo uma pesquisa que visa elaborar um mapa geral de portadores de deficiências que poderiam ser tratados com a substância derivada da cannabis sativa. “Atualmente, há uma média de 600 mil pessoas que sofrem da epilepsia refratária no Brasil. No entanto, o número de pessoas que tem conhecimento do uso terapêutico da maconha no tratamento da doença não chega a 1%”, explica o presidente da AMEMM, Sérgio Vidal.

No entanto, a epilepsia é apenas uma das anomalias que podem ser tratadas com CBD. “É preciso lembrar que a maconha possui 90 substâncias em sua composição que podem ser utilizadas no tratamento de doenças, mesmo o THC [substância que causa o efeito colateral alucinógeno], e além da epilepsia, doenças como a esclerose múltipla e o câncer também podem ser tratadas com os derivados da cannabis”, explica Vidal.

Outra causa colocada em pauta pelos membros da AMEMM diz respeito a acesso facilitado à medicação que ainda é muito restrito às pessoas que podem custear a importação. São necessárias seringas de 2,5 miligramas diários por quilo de peso do paciente até 25 miligramas, a depender do enfermo.

Mas, a única forma de adquirir o CBD é importando o remédio de outros países como a China e os Estados Unidos. Uma única seringa pode custar de US$ 200 a US$ 800 – fora as taxas da importação – e a demora para chegar leva aos necessitados a fazer o pedido em grande quantidade. Dessa forma, o acesso ao medicamento é restrito a quem pode arcar com o alto custo.

Embora a autorização da Anvisa tenha revelado uma nova posição do Brasil em relação ao uso da maconha para fins medicinais, Vidal está cauteloso sobre a questão. “Atualmente existem empresas interessadas em instalar-se no Brasil para produzir o medicamento. Observamos isso com atenção, pois nossa preocupação é com o acesso facilitado, enquanto que a decisão da Anvisa pode estar obedecendo a interesses da indústria farmacêutica. Não é isso que estamos propondo”, alertou.

Cultivo da planta em casa
Por isso, a associação luta para que os pequenos grupos formados por pacientes e parentes possam produzir o medicamento a baixo custo, e artesanalmente, na própria residência, com o cultivo da planta. E o primeiro passo será um trabalho educativo que tem como principal objetivo informar à população sobre os benefícios da cannabis. “Estamos elaborando um questionário que tem, como um dos objetivos de identificar o nível de conhecimento que os portadores de doenças como a epilepsia tem sobre o uso medicinal da maconha para o tratamento dessas doenças”, explica Vidal.

Com seus primeiros membros oriundos dos estados da Bahia e Sergipe, a associação não pretende ficar apenas no âmbito regional, mas deve crescer com calma. Vidal afirma que não está preocupado com o número de associados, no momento, mas sim em estabelecer uma imagem de referência para a entidade conseguir trabalhar suas pautas em defesa do uso medicinal da maconha, assim como ao fácil acesso da população aos medicamentos.

Debate médico é ampliado
Em dezembro de 2014, o Conselho Federal de Medicina autorizou o uso do canabidiol no tratamento de crianças e adolescentes que sejam resistentes aos tratamentos convencionais. A prescrição é restrita a neurologistas, neurocirurgiões e psiquiatras. Na Bahia, o uso terapêutico do CBD para os pacientes da epilepsia refratária – ou que sofram de convulsões sem apresentar melhoras no quadro clínico após o tratamento convencional –, já é amplamente aceita pelos médicos, segundo explicou a Dra. Rosa Garcia, médica psiquiátrica e conselheira do Conselho Regional de Medicina da Bahia (Cremeb/BA).

Pesquisas médicas também apontaram outros componentes da maconha como substâncias benéficas no tratamento de outras doenças como o câncer, a asma e a dor crônica. Contudo, a conselheira explica os estudos realizados ainda não são suficientes para comprovar a eficiência da cannabis durante o tratamento das doenças, e que, por isso, os médicos brasileiros continuam sem poder receitar a substância para esses fins.

Para receber a prescrição, o paciente necessita preencher os critérios de indicação e contraindicação para inclusão no uso compassivo. Os pacientes submetidos ao tratamento com o canabidiol deverão ser acompanhados, de acordo com relatórios enviados pelos médicos prescritores e devem ser informados sobre os riscos e benefícios potenciais, assinando o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

pessoas


Curte nossa nova página no Facebook

Não há comentários ainda, seja o primeiro a comentar!