Durante a implementação da nova fase da Operação Braços Abertos, na Cracolândia em São Paulo, a equipe de reportagem da Globo encontrou Rubens Sabino, ator do filme Cidade de Deus, que passou a morar no local por causa do vício, mas limpo alguns meses ele planeja se mudar para Portugal para trabalhar como garçom e deixou a sua opinião sobre a política de drogas e a legalização da maconha no Brasil.

Rubens Sabino Silva, que interpretou o traficante Neguinho no filme “Cidade de Deus”, diz que a Cracolândia é um “pedacinho do inferno” (veja vídeo abaixo).

Hoje morador de rua, ele diz que foi parar no Centro de São Paulo por causa do vício. Ele foi um dos afetados pela nova fase da Operação Braços Abertos, que desfez barracas improvisadas sobre calçadas e teve confronto entre policiais e dependentes.

Com passaporte na mão e uma mochila de golfe nas costas, ele conversou com o repórter Alberto Gaspar, da TV Globo, sobre os planos para o futuro em Portugal. A mochila ele conta ter comprado nas próprias ruas da Cracolândia por R$ 25. Já o passaporte diz que será usado na viagem para Portugal no dia 11 de junho. A mudança será patrocinada por um empresário que o apoiará na empreitada de trabalhar como garçom.

bpp20150429179
Rubens Sabino Silva no Centro. (Foto: Amauri Nehn/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo)

“Eu acho que para acabar com isso aqui tinha que legalizar talvez a maconha. Por que eu acho que tinha que legalizar a maconha? Não tem como tratar essa galera daqui usuário como caso de polícia, caso de repressão e criminalização. Aqui é questão de saúde pública, questão de educação, de amadurecimento da sociedade” – Rubens Sabino Silva, morador de rua, ator no filme Cidade de Deus

Rubens Silva disse estar na Cracolândia há quatro anos. “Eu vim para cá por causa do crack mesmo”, conta. Mas ele afirma ter largado o crack pouco antes do carnaval deste ano.

“Aqui é um pedacinho do inferno”, disse Rubens Silva. Apesar da mudança pessoal, ele diz que viu poucas transformações no cenário da Cracolândia desde a sua chegada.

bpp20150429174
Ele conversou com Suplicy durante operação. (Foto: Amauri Nehn/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo)

“Eu acho que para acabar com isso aqui tinha que legalizar talvez a maconha. Por que eu acho que tinha que legalizar a maconha? Não tem como tratar essa galera daqui usuário como caso de polícia, caso de repressão e criminalização. Aqui é questão de saúde pública, questão de educação, de amadurecimento da sociedade”, disse.

  • Gabriel Lizardo

    Rapaziada que entra ai lê, precisamos fomentar essas discussões, não vale apenas só ler, vamos por isso pra frente!!

    • Bruno Silva

      concordo com vc Gabriel! esses posts estao sempre sem comentários! onde estao os cara que tambem defendem a ideia desse site? queremos ou nao a regulamentao da Cannabis?