Foram cerca de 5 mil, segundo a organização do ato (ou 4 mil segundo a Polícia Militar do DF), o número de manifestantes que ocuparam o centro da política brasileira na última sexta-feira (23/05). Todos foram à Brasília exigir o fim da guerra às drogas e a regulamentação da maconha.

Manifestação
Folha em frente ao Congresso Foto: Agência Senado / Fernando Ribeiro

A concentração teve início por volta das 14h em frente ao Museu Nacional. Os manifestantes saíram do local às 16h20, rumo ao Congresso Nacional, onde os ativistas se posicionaram no gramado para formar o desenho de uma folha gigante de maconha. Depois, a passeata retornou para o Museu Nacional, onde teve início.

“A gente quer colocar em pauta a legalização da maconha. A gente acredita que a legalização é um passo chave para o Brasil avançar na solução de uma série de outros problemas, como a repressão a comunidades pobres, a criminalização de movimentos sociais, a reforma agrária, o enfraquecimento da corrupção e do crime organizado, dentre outros”, explica um dos organizadores da marcha em Brasília, Marcelo Pedroso.

O ato reuniu ativistas, movimentos e coletivos. Entre eles, CannaCerrado, Movimento pela Legalização da Maconha, Apologia, 4h20 horário de Brasília, SmokeBuddies e Flor & Cultura. Os manifestantes querem enfrentar o preconceito e o tabu que ainda cerca o debate sobre o tema. “Quem fuma maconha também estuda, trabalha”, enfatiza a doutoranda em filosofia Constança Barahona, conforme noticiou a EBC.

MM 05 - Agencia Senado Pedro França
Marcha da Maconha Brasília Foto: Agência Senado / Pedro França

Na mesma semana da marcha, além do Senador Cristovam Buarque apresentar o primeiro estudo acerca da regulamentação da maconha, a Comissão de Constituição e Justiça, do Senado Federal, realizou uma audiência pública para debater a descriminalização do porte de drogas para consumo pessoal. Após audiência da CCJ, André Kiepper, Henrique Rocha e Marcello Pedroso realizaram a entrega, no gabinete do presidente da Anvisa, de uma proposta de uso medicinal da maconha baseada no modelo nova-iorquino da ONG Compassionate Care NY.

MM 04 - Agencia Senado Pedro França
Marcha da Maconha Brasília Foto: Agência Senado / Pedro França

“Dessa vez a massa da marcha foi a juventude da periferia de Brasília, cerca de 90 por cento dos marchantes. A Esplanada foi enfumaçada e perfumada, até o congresso nacional, incomodando a moral e o caretismo e sem serem incomodados pela polícia, que apenas acompanhou o ato. Foi a oportunidade dessa garotada que é cotidianamente reprimida nas periferias chegar no meio do palco do poder federal e afirmar sem medo que a maconha é uma delícia”, contou Marcello Pedroso ao SmokeBud.

Em um ato pacifico e legalize, o protesto terminou no auditório do museu, com um debate com especialistas e movimentos sociais da cidade sobre a legalização da maconha. Apesar de legalize, a polícia acompanhou apenas para garantir a segurança dos manifestantes sem repressão.

MM 03 - Agencia Senado Pedro França
Marcha da Maconha Brasília Foto: Agência Senado / Pedro França

Organize uma Marcha da Maconha na sua cidade, clique AQUI e conheça o manual do organizador.

A seguir confira as fotos do ato realizado no dia 23 de maio.
Fotos: Luis Macedo/ Câmara dos Deputados e Valter Campanato/Agência Brasil

Abaixo relacionamos a clipagem das principais notícias sobre a Marcha da Maconha Brasília 2014:

Clipping 1       Clipping 2

Clipping 3     Clipping 9

Clipping 8       Clipping 4

Clipping 5       Clipping 6

Clipping 7