Apologia ou estilo? A prisão de mais um jovem na cidade de Salto Grande (SP) apenas pelo uso de roupas com estampas mostrando as folhas da erva mostra que a questão ainda não está resolvida. A Polícia Militar da cidade já havia detido outra pessoa pelo mesmo motivo. As autoridades especializadas condenam a ação, segundo informações do Estadão.

Um rapaz de 19 anos foi detido no fim da tarde de segunda-feira, 1º, em Salto Grande (SP), porque vestia uma bermuda com desenhos de folhas de maconha. Segundo o comandante do destacamento da Polícia Militar da cidade, sargento Tiago Tadeu Ramos, de 30 anos, o jovem – que está desempregado e não teve o nome divulgado – foi detido por apologia ao crime.

“(A abordagem) está prevista no Código Penal, no artigo 287. A pessoa que usa uma roupa ou qualquer outro objeto com desenho de folha de maconha está cometendo uma irregularidade. Isso caracteriza crime de apologia ao uso de drogas”, afirmou o policial. Ao ser abordado, o rapaz disse que desconhecia a proibição.

Na delegacia, ele assinou o boletim de ocorrência e foi liberado.

No mês passado, a PM de Salto Grande deteve outro rapaz pelo mesmo motivo – ele usava um boné com desenho de folha de maconha.

Para o jurista Zelmo Denari, de 79 anos, de Presidente Prudente (SP), prender pessoas que vestem roupas com desenhos de maconha é uma tolice e um abuso de autoridade. “É uma das mais arrematadas tolices que eu ouvi na minha vida de jurista”.

Denari destacou que a maconha foi liberada “em um país vizinho, o Uruguai” e classificou esse tipo de de repressão como “pura ignorância”. “Não tem cabimento. A polícia não entendeu direito o espírito da lei, precisa entender o mundo de hoje e se adaptar aos novos tempos”.