Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Santiago do Chile – A candidata de direita à presidência do Chile, Evelyn Matthei, qualificou como “interessante” o debate sobre a regularização da produção e venda da maconha, como tem feito o governo uruguaio.

“O experimento uruguaio é interessante, deve-se discuti-lo”, afirmou a candidata, “embora seja necessário abordar o tema de maneira séria e informada”.

No Chile, a Lei de Drogas estabelece penas para o tráfico de substâncias entorpecentes ou psicotrópicas ilícitas, entre elas a maconha, considerada no Chile como uma droga capaz de produzir “dependência física ou psíquica”, e “graves efeitos tóxicos ou danos consideráveis à saúde”.

Leia também:  Filantropo multimilionário quer criar maconha transgênica

Matthei questionou que a maconha seja considerada droga pesada e que esteja na chamada “lista um”. “Não sei como chegou a lista um”, disse.

“Nós temos que definir efetivamente o que é porte e consumo próprio, porque há situações em que pessoas passam muito tempo na prisão por portar pequenas quantidades de maconha”, acrescentou.

Para ela é importante saber qual é o dano verdadeiro produzido pela maconha, cujo princípio ativo é o tetrahidrocannabinol, conhecido pela sigla THC.

Mas a candidata da ultraconservadora União Democrata Independente (UDI) esclareceu que “um olhar somente focado na penalização, em geral, não produziu bons resultados em nenhum lugar do mundo”.

Leia também:  Um exame cérebral pode recomendar qual é a melhor Maconha para você

Evelyn Matthei

Via Uol Notícias / EFE

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here