O uso do cânhamo para a produção de bioenergia pode ser melhor e mais eficiente para o meio ambiente, do que algumas outras fontes de bioenergia, mas restrições à cultura ficam no caminho.

Bioenergia é atualmente a fonte de crescimento mais rápida para energia renovável. Cultivar culturas energéticas em terras aráveis pode diminuir a dependência de recursos fósseis que estão se esgotando e pode atenuar a mudança climática.

Mas algumas culturas de biocombustíveis são maléficas ao meio ambiente: elas usam muita água, deslocam pessoas e criam mais emissões do que salvam. Isto levou a uma demanda para as culturas de alto rendimento de energia com baixo impacto ambiental. O cânhamo é dito ser exatamente isso.

Entusiastas já promovem o uso do cânhamo para a produção de bioenergia por um longo tempo. Com o seu elevado potencial de produção de biomassa e sua adequação na rotação de culturas existentes, o cânhamo poderia não só complementar, mas ultrapassar outras culturas energéticas disponíveis.

Hemp, Cannabis sativa, é originária da Ásia ocidental e da Índia e de lá se espalhou pelo globo. Durante séculos, as fibras foram usadas para fazer cordas, velas, pano e papel, enquanto as sementes foram utilizadas para a alimentação humana e animal rica em proteínas. O interesse no cânhamo declinou quando outras fibras, como sisal e juta, substituíram o cânhamo no século 19.

O abuso da cannabis como uma droga levou à proibição do seu cultivo pelas Nações Unidas em 1961. Quando a proibição foi revogada em 1990, na União Europeia, Canadá e, posteriormente, na Austrália, o cânhamo usado industrialmente surgiu novamente.

Desta vez, a participação da indústria automotiva, elétrica e de fibras naturais promovem a sua utilização. Para tal uso industrial, as modernas variedades com conteúdo insignificante de compostos psicoativos são cultivadas. No entanto, o cultivo de cânhamo ainda é proibido em alguns países industrializados como a Noruega e os EUA.

O consumo de energia do cânhamo é hoje muito limitado. Há poucos países em que o cânhamo tem sido comercializado como cultura energética. A Suécia é um, e tem uma pequena produção comercial de briquetes¹ de cânhamo. Briquetes de cânhamo são mais caros que briquetes de madeira, mas vendem razoavelmente bem em mercados regionais.

Em grande escala de energia o uso do cânhamo também tem sido sugerido.

A produção de biogás a partir de cânhamo poderia competir com a produção de milho, especialmente em regiões de clima frio, como o norte da Europa e no Canadá. A produção de etanol é possível a partir de toda a planta do cânhamo, e biodiesel pode ser produzido a partir do óleo prensado a partir de sementes de cânhamo. A produção de biodiesel a partir de óleo de semente de cânhamo tem demonstrado que em geral tem um impacto ambiental muito menor do que o diesel fóssil (Petróleo).

De fato, os benefícios ambientais do cânhamo foram altamente elogiados, uma vez que o cultivo de cânhamo requer quantidades muito limitadas de pesticidas. Poucas pragas de insetos são conhecidas em culturas de cânhamo e doenças fúngicas são raras.

Desde que as plantas de cânhamo, após a semeadura, começarem a fazer sombra no chão, rapidamente elas podem superar as ervas daninhas, uma característica interessante, especialmente para os agricultores orgânicos. Ainda assim, um solo livre de plantas daninhas é necessário. E sem adubação nitrogenada o cânhamo não vai crescer tão vigorosamente quanto é muitas vezes sugerido.

Assim, como em qualquer outra cultura, boas práticas agrícolas levam a um bom cultivo de cânhamo.

Sendo uma cultura anual, o cânhamo se enquadra muito bem na rotação de culturas. Aqui, pode funcionar como uma colheita de ruptura, reduzindo a ocorrência de pragas, particularmente na produção de cereais. Os agricultores interessados em culturas energéticas muitas vezes hesitam em cultivar cannabis e acabam subordinando seus campos para a produção de culturas energéticas perenes² como salgueiro. Devido à alta auto-tolerância do cânhamo, cultivos de dois a três anos no mesmo campo não levam a perdas de rendimento de biomassa significativas.

A produção em pequena escala de briquetes¹ de cânhamo também se provou economicamente viável. No entanto, cultivar cânhamo sempre (ou qualquer outra cultura) para a produção de energia não é a solução global.

Antes de produzir energia a partir de resíduos é certamente mais amigável ambientalmente utilizá-lo para fabricação de fibras, óleos ou outros produtos de cânhamo. Até a energia produzida das fibras de cânhamo podem ser usadas quando os produtos se tornam resíduos.

Reciclando os nutrientes das plantas para o campo, como resíduo de biogás, pode-se contribuir para a redução das emissões de gases de efeito estufa provenientes da produção de culturas.

Produção de bioenergia sustentável não é fácil, e será necessária uma diversidade de culturas. O cânhamo não é o cultivo perfeito para a bioenergia. Ainda assim, se cultivada em solo de boa qualidade com a fertilização decente, o cânhamo pode certamente ser uma cultura ambientalmente saudável para a produção de bioenergia e para outros usos industriais.

Texto por Thomas Prade – Universidade Sueca de Ciências Agrícolas. 

Tradução SmokeBud
Via The Epoch Times

¹ Briquete é um bloco denso e compacto de materiais energéticos, geralmente feito a partir de resíduos de madeira.
² Na Botânica. Planta cujo tempo de vida pode passar dos três anos