Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Quase 1 milhão de brasileiros poderiam se beneficiar com o tratamento à base de maconha, caso o uso fosse legalizado. A mudança também movimentaria R$ 4,5 bilhões, apenas nos três primeiros anos. Os dados são da consultoria americana New Frontier e da aceleradora The Green Hub, segundo a colunista Maria Cristina¹ para a coluna Mercado Aberto, da Folha de S.Paulo.
Quase 959 mil brasileiros poderiam ser usuários de remédios à base de maconha caso este uso fosse legalizado, segundo a consultoria americana New Frontier Data e a aceleradora The Green Hub.

O cálculo foi feito com base no mercado de países onde a droga é permitida e no número de enfermos cujo tratamento poderia utilizar canabidiol ou similares.

Se pacientes com dores crônicas fossem incluídos, o contingente de consumidores iria para 3,4 milhões, o que movimentaria US$ 1,4 bilhão (R$ 4,5 bilhões) nos três primeiros anos, segundo a consultoria.

Somente derivados importados de maconha são permitidos atualmente e o processo é complexo. Exige prescrição médica, autorizações da Anvisa e a assinatura de termos de consentimento.

Linha do Tempo da Maconha no Brasil

Janeiro/2011
O início do Smoke Buddies, o que viria a se tornar um dos maiores e mais expressivos portais de notícias sobre o mundo da maconha do Brasil.

Junho/2011
STF libera a “marcha da maconha”. Pela decisão, tomada no julgamento de ação (ADPF 187) ajuizada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), o artigo 287 do Código Penal deve ser interpretado conforme a Constituição, de forma a não impedir manifestações públicas em defesa da legalização de drogas. Com isso deixa de ser crime de apologia defender a legalização da erva e outras drogas.

Novembro/2013
Após ver informações na internet sobre testes com canabidiol, um dos derivados da maconha, a família da brasileira Anny Fischer, que sofre de uma síndrome rara, decide importar dos Estados Unidos um óleo rico na substância para a criança.

Leia também:  Traz duas de 10! Oregon tem a maconha mais barata dos EUA

Março/2014
Uma das tentativas de importação falha e o canabidiol é barrado na alfândega. A família conta sua história a um jornalista, que lança o documentário “Ilegal” sobre o caso.

Abril/2014
A família de Anny consegue laudo médico da USP de Ribeirão Preto e entra na Justiça para conseguir importar o produto. O pedido é aprovado. Após o caso, Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) passa receber mais pedidos de autorização para importação de produtos à base de canabidiol.

Outubro/2014
Conselho Regional de Medicina de São Paulo autoriza a prescrição de canabidiol no Estado.

Dezembro/2014
Conselho Federal de Medicina autoriza médicos a prescreverem o canabidiol, mas somente para crianças com epilepsia e que não tenham tido sucesso em outros tratamentos.

Janeiro/2015
Anvisa libera o uso medicinal de produtos à base de canabidiol, um dos derivados da maconha, retirando-o de uma lista de substâncias proibidas e colocando-o em uma lista de substâncias controladas.

Março/2015
Cresce o volume de decisões judiciais que obrigam a União a fornecer o canabidiol a pacientes com diferentes tipos de crises convulsivas, não apenas aos epiléticos.

Abril/2015
Anvisa simplifica as regras para a importação de produtos à base de canabidiol e cria lista de produtos que podem ter facilitado o processo de autorização para importar.

Agosto e setembro/2015
STF começa a discutir se é crime portar drogas para uso próprio. Julgamento, no entanto, foi suspenso após pedido de vistas do ministro Teori Zavascki.

Março/2016
Após determinação judicial, Anvisa publica resolução que autoriza a prescrição e a importação de medicamentos com THC, um dos princípios ativos da maconha. Antes, essa substância fazia parte da lista daquelas que não poderiam ser objeto de prescrição médica e manipulação de medicamentos no país.

Leia também:  Verão da Lata - Uma história real, inacreditável e ainda pouco explanada por aí!

Novembro/2016
Anvisa aprova critérios para o uso de medicamento à base de maconha e abre espaço para que remédios à base da planta possam obter registro para venda no país.

Novembro e dezembro/2016
Três famílias, duas do RJ e uma de SP, conseguem habeas corpus que as permitem plantar e extrair o óleo de maconha para uso medicinal e próprio.

Durante o ano de 2017
– Anvisa inicia missões internacionais para países que regulamentam o cultivo de Cannabis para pesquisa e produção de medicamentos e planeja medida semelhante no Brasil.

– Primeiro medicamento à base de maconha, Mevatyl, composto por THC e canabidiol e indicado para espasticidade, ganha registro na Anvisa para chegar ao mercado brasileiro.

– Grupo de usuários do Distrito Federal inicia o processo de registro do primeiro clube de cultivo de maconha no Brasil.

– No dia 15 de setembro, a Justiça do Ceará concede a primeira autorização judicial para um adulto cultivar maconha em casa para uso medicinal. O paciente é tetraplégico desde um acidente em 2005, já submeteu-se a várias cirurgias e remédios, mas só encontrou o alívio para a dor e os espasmos após começar a utilizar a maconha em 2013.

– Registro da Associação Cultural Canábica de São Paulo (ACUCA), primeira associação de usuários recreativos de cannabis a conseguir registrar CNPJ no Brasil.

– Lançamento da PLATÔ, primeira revista brasileira sobre política de drogas.

– ANVISA reconhece maconha como planta medicinal e anuncia que vai publicar a regulamentação do cultivo para fins medicinais até 2018.

¹Maria Cristina Frias é jornalista e edita a coluna Mercado Aberto da Folha de S.Paulo, sobre macroeconomia, negócios e vida empresarial. Escreve diariamente, exceto aos sábados.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here