Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Segundo cientistas, nova pesquisa aponta que a Cannabis poderá ser utilizada no tratamento da epilepsia. As informações são do Jornal Ciência / R7.

O potencial da maconha medicinal e do canabidiol puro – uma substância ativa na Cannabis –, em relação a reações neurológicas, são altamente controversas. Entretanto, essa pesquisa feita, nos EUA, sugere agora que a droga pode ajudar as pessoas com epilepsia grave.

Em um estudo de caso, o Dr. Edward Maa, chefe do programa global de epilepsia em Denver Health, detalha a experiência da mãe, que forneceu maconha medicinal para sua filha com síndrome de Dravet – uma forma grave de epilepsia. O relatório afirma que a frequência de crises da criança foi reduzida de 50 convulsões por dia, para 2 ou 3, à noite e por mês.

Leia também:  Regulamentação faz do Uruguai um laboratório para pesquisas sobre maconha

“Como profissionais da área médica, é importante promovermos a evidência de uma substância presente na maconha pode ser uma terapia antiepiléptica eficaz”, afirma o Dr. Maa. Atualmente, 21 estados nos EUA e no Distrito de Columbia já legalizaram a maconha para fins medicinais.

Outro estudo da série descobriu que o THC (substância psicoativa principal) e o CBD (principal ingrediente psicoativo na Cannabis) apresentam propriedades anti-convulsivas em animais.

Dr. Orrin Devinsky, diretor do Centro de Epilepsia de Nova York – University Langone Medical Center –, disse: “Os estudos controlados de CBD visam, principalmente, aos grupos de epilepsia específica, como síndrome de Dravet ou de Lennox-Gastaut”.

No entanto, algumas pesquisas sugerem que a maconha medicinal, quando administrada em pacientes com essa condição, pode causar ansiedade, esquizofrenia e dependência química.

A Dr. Maria Roberta Cilio, diretora de pesquisa em epilepsia pediátrica do Centro de Epilepsia em São Francisco, disse: “Há uma necessidade crítica de novas terapias, especialmente para as crianças, que são extremamente resistentes ao tratamento, o que prejudica suas qualidades de vidas e contribui para o desenvolvimento de distúrbios comportamentais e dificuldades na aprendizagem. Porém, uma investigação mais rigorosa precisa ser feita, para garantir a eficácia da maconha medicinal ou de seus componentes individuais, antes que qualquer conclusão seja feita”.

Leia também:  Comissão do Senado uruguaio aprova legalizar produção e venda de maconha

Segundo estudos, a maconha medicinal também tem sido usada para tratar pessoas com esclerose múltipla, transtorno de estresse pós-traumático e dores nos nervos, bem como para reduzir náuseas e vômitos em pessoas que estão fazendo quimioterapia.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here