O doping divide opiniões no MMA. Dana White, presidente do Ultimate Fighting Championship (UFC), é a favor da liberação do uso de maconha e contra o tratamento de reposição de testosterona (TRT). Vitor Belfort, pelo contrário, é a favor do TRT e contra a maconha. Os americanos Chael Sonnen e Luke Rockhold discordam também sobre o uso do TRT, assim como os brasileiros Thiago Silva e Lyoto Machida divergem sobre a questão da maconha. Na última segunda-feira, em entrevista exclusiva ao Terra, foi a vez de Junior Cigano apresentar suas posições sobre o assunto.

Ex-campeão dos pesos pesados, Cigano detonou qualquer uso de substâncias artificiais no MMA. Ele aproveitou também para negar que já tenha feito uso de drogas ou qualquer terapia: “com certeza é tudo negativo, não apoio nada disso. Sou peso pesado e nunca usei nada disso, nem maconha e nem nada de ‘bomba’, nada disso”, assegurou.

O TRT tem dominado discussões principalmente depois que Vitor Belfort assumiu o uso da terapia. O brasileiro costuma se irritar quando fala sobre isso e até se recusa a comentar o assunto. Já Cigano foi direto ao criticar: “pelo que ouvi, quem precisa desse TRT é porque fez uso indevido de algo ilegal por um tempo e agora não tem produção natural de testosterona”, argumentou. O próprio Belfort e outros que utilizam TRT costumam rebater esta acusação.

Cigano disse que está passando por um momento de férias e preguiça atualmente, já que só voltará a lutar daqui a quatro meses – contra Cain Velásquez, pelo cinturão dos pesos pesados -, mas mesmo durante essas “férias” ele sequer bebe algo alcólico: “nosso resultado só depende da gente e do cuidado que temos com o corpo. Não bebo há 8 anos, cuido da minha saúde e como bem. Fui campeão do mundo sem nem pensar nesse tipo de coisa”, assegurou o lutador.

Sobre a maconha, o principal argumento de quem defende sua liberação é que a droga não gera qualquer estímulo para o lutador, pelo contrário. Presidente do UFC, Dana White até concorda com isto, mas critica lutadores que sabem da proibição e mesmo assim costumam desrespeitá-la. Cigano foi na mesma linha: “não é nada contra eles, mas simplesmente não apoio e não entendo quem usa”.

Também ex-campão do UFC, Lyoto Machida foi mais um que concordou com Cigano recentemente e detonou a possível liberação da maconha: “o MMA é visto como um esporte de saúde, mas isso (maconha) acaba sujando o que conquistamos”, afirmou, totalmente na contra-mão do também brasileiro Thiago Silva: “muitos caras gostam de beber. Eu não bebo, gosto de fumar. Não fumo mais, porque realmente não posso, mas gostava porque me ajuda a relaxar”, opinou ele há pouco tempo.

Na prática o UFC tem pouco controle sobre as duas questões, já que a Comissão Atlética é que regula o teste anti-doping e suas regras. A única certeza entre os dirigentes e lutadores da organização é que, por muito tempo, essas questões continuarão a dividir opiniões entre todos.

Fonte: Terra
//migre.me/faJol

1011901_608535035838124_1978186049_n