Em uma sessão plenária no Senado Federal (17/02), o senador Cristovam Buarque falou da importância de um maior debate sobre o projeto de iniciativa popular, em qual foi escolhido como relator, que visa a regulação da maconha no Brasil e afirmou que é preciso maior debate sobre projeto que regulamentará uso da maconha

“Temos muitas questões a analisar, só não temos direito de dizer que isso é irrelevante”
Senador Cristovam Buarque

A legalização do cultivo caseiro, do comércio em estabelecimentos licenciados e do consumo da maconha começa a ser discutida pela Comissão de Direitos Humanos do Senado. E o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) que será relator da sugestão, assinada por mais de 20 mil pessoas que querem a descriminalização do uso da cannabis sativa, promete um amplo debate.

Para dar o seu parecer sobre a questão, Cristovam afirmou que quer antes ver esclarecidas algumas dúvidas. Ele quer saber, por exemplo, se a legalização poderá reduzir o problema da violência, se a droga tem benefícios medicinais e se a descriminalização pode aumentar o consumo. Outra dúvida de Cristovam se refere ao impacto disso sobre o nível de educação das pessoas e sobre os valores da população.

” – Vou tomar a minha posição no momento certo. Depois de um longo debate com cientistas, com usuários, na medida que seja possível isso, com líderes religiosos, filósofos, antropólogos, políticos. Vamos ver o que aconteceu nos países que tomaram essa decisão, como na Europa, algumas cidades americanas, e recentemente no Uruguai. Vamos analisar para que no fim esse assunto que é relevante seja também enfrentado.”

O senador afirma que não fugirá do debate, por se tratar de um tema de grande relevância, que atinge a todos os graus da sociedade. Vamos contribuir com o debate enviando estudos e informações sobre as seguintes questões:

1. A regulação do uso e da produção da maconha aumenta, diminui ou mantém a violência?

2. Se a maconha traz ou não benefícios medicinais e quais os impactos medicinais que seu papel teria sobre os avanços científicos?

3. A legalização aumenta, diminui ou é neutra em relação ao consumo?

4. A maconha é ou não a porta de entrada para outras drogas?

5. Impacto sobre o nível de educação da população? Isso trará algum prejuízo ou vantagem no processo educacional dos nossos jovens?

6. Qual o impacto de uma decisão como essa sobre os costumes e valores morais da sociedade brasileira?

Siga o Conselho dos Advogados Contra o Proibicionismo!

Responda às perguntas do senador objetivamente e evite opiniões meramente pessoais. É importante saber o que se está falando para não titubear ou perder a paciência com possíveis proibicionistas que responderão normalmente com ‘achismos’. Lembre! Você vive em uma democracia e você estará um passo a frente se tiver o conhecimento ao seu lado. ESTUDE!

E se você ainda tem alguma dúvida sobre o que responder nos questionamentos, sugerimos ler a(s) pergunta(s) a ser(em) respondida(s), de acordo com sua opção, e depois dê uma navegada pelo SmokeBud e pelos principais meios informativos antiproibicionistas. A maioria das respostas estão aqui e, óbvio, em outros grupos, meios e coletivos sérios ligados à causa.

Se quiser ler um pouco mais, a sugestão do ACP é a leitura dos documentos “RESPONDENDO AOS MITOS” elaborados pela Rede Pense Livre, disponíveis nos links abaixo. Grande parte das respostas estão lá, com embasamento fático e científico:

Contatos do Senador Cristovam Buarque (Relator):
E-mail: [email protected]
Telefone: (61) 3303-2281 / Fax: (61) 3303-2874
Endereço parlamentar: Ala Teotônio Vilela, Gab. 10

Contatos dos assessores do senador:

  • Regina Célia Simplicio – Chefe de Gabinete: [email protected]
  • Olimpia – Sub-Chefe de Gabinete e cuida da CDH: [email protected]
  • Maristela Seichas Dourado – Assessoria de Emenda: [email protected]
  • José Carlos de Matos – Consultor Jurídico/advogado: [email protected]
  • Paulo Miranda – Assessor de imprensa: [email protected]

Redes Sociais

  • Twitter: @Sen_Cristovam
  • Facebook: fb.com/cristovam.buarque

Com informações Tv Senado e Advogados Contra o Proibicionismo