Deputada Mara Gabrilli (PSDB-SP) diz ainda não ter opinião formada sobre a descriminalização da maconha, mas quer estudar exemplos do Uruguai e Portugal para tomar uma posição. Apesar disso, Mara é a favor do debate sobre o assunto, principalmente se tratando do uso medicinal da erva. As informações são do UOL.

Com um apoio de peso em favor de seu nome, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a deputada federal Mara Gabrilli (PSDB-SP), 46, cotada para vice na chapa presidencial do senador Aécio Neves (PSDB-MG), diz que, caso seja convidada, vai pensar sobre a possibilidade. “Temos de conversar [com Aécio]. Nunca almejei ocupar um cargo tão alto. Nunca quis”, afirmou.

“Se rolar [o convite], eu vou pensar. Mas nunca fiz uma pesquisa aprofundada sobre o cargo. Se for mesmo convidada, não vou responder [a Aécio] sem antes pesquisar e estudar”, disse Gabrilli nesta terça-feira (15).

Ex-vereadora na capital paulista e ex-secretária municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida de São Paulo, Gabrilli é a primeira tetraplégica eleita deputada federal no país. Na Câmara Federal, atua na defesa de políticas públicas voltadas para pessoas com deficiência. Publicitária e psicóloga, a parlamentar sofreu um acidente automobilístico há 20 anos, que a deixou imobilizada do pescoço para baixo.

Sobre a descriminalização da maconha, a deputada diz não ter opinião consolidada: “já fui contra e já fui a favor. Hoje, estou pensando… Hoje, realmente não sei. Realmente, não sei o que falar”, afirma Gabrilli.

“A utilização do extrato de canabidiol (substância química da cannabis, planta que dá origem à maconha) para uso medicinal, de forma terapêutica, sou a favor. Principalmente, para uso de portadores de doenças raras e autismo. Nesses casos, o extrato de canabidiol suspende as convulsões”, diz.

“Já mudei de opinião sobre o assunto [descriminalização da maconha] e, agora, quero estudar melhor os exemplos do Uruguai e Portugal (países que liberaram, com restrições, o uso da maconha) para formar opinião sobre o assunto”, afirma a parlamentar.

A deputada também conversou com o UOL sobre outros assuntos como aborto e diminuição da maioridade penal. Após a publicação, Mara enviou uma carta ao portal para esclarecer alguns pontos que foram expostos de forma errada na matéria:

“Afirmei ser extremamente favorável à liberação do canabidiol para utilização medicinal. E que em relação à maconha em si, que existe uma tendência mundial à liberação, mas que eu mesma já mudei de ideia sobre o tema. Que precisamos promover essa discussão a nível nacional e observar o caso de nossos países vizinhos para ver quais as consequências que uma decisão importante como essa vai gerar.”

Agora cabe a você, Buddie, pensar se ela está fazendo isso pra angariar votos ou se é por causa da tendência mundial pró regulamentação. As eleições estão ai. Não sequele e Google IT!