Deputados vetam criação de sistema financeiro para comércio de maconha no Colorado, EUA. Medida seria alternativa à falta de acesso do setor a bancos, que resistem a oferecer serviços para lojas, já que substância ainda é proibida por legislação federal. As informações são do O Globo.

O milionário comércio de maconha de Colorado (EUA) – onde a venda da droga para uso recreativo é permitida desde o início do ano – continua sem ter onde guardar seu dinheiro. Após negociações na noite desta quinta-feira, deputados do estado americano decidiram vetar uma proposta que criaria o primeiro sistema bancário para os vendedores da substância, que, só no primeiro mês após a liberação das vendas, em janeiro, ganharam US$ 14 milhões.

A medida criaria uma espécie de cooperativa financeira, exclusiva para lojas licenciadas para vender a droga. O sistema, no entanto, não teria garantia do Federal Reserve (Fed, banco central americano) para oferecer serviços bancários como cheques e cartões de crédito.

O projeto de lei sobreviveu por menos de 24 horas. Após ser apresentado na quarta-feira e seguir para análise em uma comissão na quinta-feira, foi vetado por outra comissão, sob a justificativa de que era necessário avaliar melhor o assunto.

– Vamos levar algum tempo para ter isso controlado adequadamente – reconheceu o republicano Kevin Priola, que apresentou a emenda pedindo a reavaliação.

Para bancos, plano fadado ao fracasso

O setor de maconha de Colorado, que já permitia a venda da droga para uso medicinal, tem tido dificuldade para acessar o sistema bancário, pois a substância é considera ilegal pela legislação federal. Em fevereiro, os departamentos de Justiça e do Tesouro emitiram uma nota sugerindo que bancos poderiam oferecer serviços básicos ao setor. Na ocasião, o comunicado citava, entre os benefícios, a maior facilidade para fiscalizar um negócio que, atualmente, é baseado apenas em dinheiro em espécie – com seus clientes, portanto, anônimos. Mesmo assim, as instituições financeiras permanecem resistentes.

Para representantes do setor bancário do estado, a proposta de uma cooperativa financeira estava destinada ao fracasso. A ideia já havia sido apresentada há dois anos, quando apenas o uso medicinal era permitida, mas também não foi aprovada.

– Realmente não acreditamos que isso vai funcionar. É basicamente ilegal lidar com qualquer substância ilegal – disse Don Dhilders, presidente da Associação dos Banqueiros de Colorado.

Para o coordenador do escritório de maconha de Colorado, Andrew Freedman, no entanto, permitir o acesso do setor ao sistema bancário “é o próximo passo lógico” a ser dado.