Já imaginou ser pago para fumar e avaliar as melhores ervas?

Após o Jornal, The Denver Post, buscar entre 420 candidatos um chefe para o editorial da maconha, agora abre espaço para mais uma nova profissão: Crítico da Maconha. Ambas profissões são frutos da legalização da maconha para fins recreativos no Colorado, nos EUA. As informações são do Estadão.

Jake Browne é um crítico. Assim como um crítico de vinhos pode discorrer sobre a qualidade de um Cabernet ou de um Merlot apenas pelo aroma, ele pode fazer o mesmo com a maconha.

“Você pode analisar a maconha por aspectos visuais e experimentar para fazer um diagnóstico completo”, explicou Browne em entrevista à rede americana CBS.

O jornalista é o primeiro crítico do mundo especializado em maconha, no jornal Denver Post. O jornal abriu a nova seção dedicada ao tema quando estado do Colorado aprovou o consumo para fins recreativos, em janeiro deste ano, de olho nos novos negócios que surgem a cada dia a com o comércio legal da droga.

O cânhamo é usado como matéria-prima para a fabricação de roupas, calçados, cosméticos e alimentos, e já movimenta mais de US$ 500 milhões por ano nos Estados Unidos.

Dentro da editoria de maconha o jornal tem agora um blog com as críticas de Browne sobre a qualidade e os efeitos da erva. As análises são publicados no blog TheCannabist.co, no portal do jornal Denver Post.

O crítico concentra-se em diferentes temas como linhagens, características e efeitos para a saúde, como alivio da ansiedade e da dor para doentes terminais. Ele visita casas especializadas e é capaz de reconhecer diferentes espécies apenas pelo cheiro. Mas só fuma em casa, para não desobedecer as leis do Colorado.

Seus comentários são técnicos. Ele conta que ainda está se acostumando com a nova carreira. “Nunca imaginei que iria me especializar neste assunto a ponto de tornar-me um crítico”, comenta ele. “Meu emprego dos sonhos era ser advogado, mas agora só espero não precisar de um por causa das minhas críticas”, disse.