‘Brasil não está preparado’, diz presidente da Câmara dos Deputados.
Lei preocupa também Argentina, Uruguai e México

A regulação do consumo de maconha no Uruguai, que será votado nesta terça-feira (10) pelo Senado, provoca cautela entre seus vizinhos, que preferem evitar o tema ou reforçar a proibição, apesar da droga também estar sendo consumida em seus país.

“Creio que o Brasil não está preparado para isso. Não acho que vá ocorrer (uma legalização da maconha). É um tema que tem muita rejeição agora, muitas distorções. Pode-se discutir, mas só isso”, afirmou Henrique Eduardo Alves, presidente da Câmara de Deputados brasileapoio da governista coalizão esquerdista Frente Ampla, que controla as duas câmaras.

A lei promovida por José Mujica, presidente do Uruguai, que tem um pouco mais de três milhões de habitantes, preocupa alguns setores no Brasil, com seus 200 milhões de habitantes. Também deixou abismada a Argentina, assustou o Paraguai e causou ceticismo no México, cuja violenta guerra contra o narcotráfico deixou cerca de 70.000 mortos desde 2006.
“Muitas cidades na fronteira do Brasil (com o Uruguai) podem ser uma porta de entada para a maconha, especialmente o Rio Grande do Sul”, advertiu o deputado brasileiro Osmar Terra, do PMDB.

Depois dos Estados Unidos, o Brasil é o segundo consumidor mundial de cocaína e crack, abastecido por importantes produtores de coca, como Peru e Colômbia.

E, apesar do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) defender a legalização da maconha depois de sua saída do poder, o governo da presidente Dilma Rousseff enfrentou a alta do consumo de drogas com maior repressão ao tráfico nas fronteiras. No entanto, a possibilidade de que a maconha uruguaia seja exportada para seus vizinhos parece distante. Oitenta por cento da maconha no Brasil provém do Paraguai, segundo a Polícia Federal.

A nova lei uruguaia prevê um registro dos consumidores de maconha e um limite de compra de 40 gramas mensais em farmácias: será um mercado fechado e controlado pelo Estado. Os preços serão módicos – quase um dólar o grama – e não diferenciados para evitar a concorrência entre fornecedores.

bandeira_uruguai-630x440

Vizinhos cautelosos
A Argentina está na vanguarda da região em temas como aprovação do casamento homossexual, mas não parece ainda pronta para seguir os passos de seu vizinho uruguaio.

Recentemente, o secretário de Segurança argentino, Sergio Berni, considerou esta possibilidade “digna de ser estudada’, mas acrescentou que é um tema muito complexo, que deve ser analisado com responsabilidade.

“A Argentina está muito mais atrasada que o Uruguai em relação à políticas de drogas. Enquanto que no Uruguai os usuários não são criminalizados e se discute a forma mais eficaz para que possam exercer seu direito, na Argentina mais de 8.000 consumidores de drogas são criminalizados todos os anos há mais de duas décadas”. afirmou à AFP Sebastián Basalo, diretor da THC, “a revista argentina da cultura canábica’.

No Chile, o cultivo de maconha é punido com até cinco anos de prisão, assim como sua venda, ao contrário de seu consumo pessoal e em particular. Os usuários se queixam, no entanto, de não saberem direito o “quanto” significa este uso pessoal.

Mas o programa da ex-presidente chilena Michelle Bachelet, favorita para vencer o segundo turno de 15 de dezembro, propõe revisar a conveniência de manter a maconha como droga ilícita, tal como foi considerada em uma lei ditada quando governou o país de 2006 a 2010.

No Paraguai, o maior produtor de maconha da região, o presidente Horacio Cartes é contrário à legalização. “A situação do tráfico de drogas não vai mudar com a legalização de uma droga. É uma utopia”, afirmou.

Enquanto isso, seu governo promove um centro de pesquisa para estudar as propriedades da maconha visando a elaborar políticas de Estado com uma base científica.

O México se mostra cético. “As mudanças de estratégias unilaterais não oferecerão uma solução para um problema de ultrapassa fronteiras”, afirmou recentemente o chanceler mexicano José Antonio Meade.

Turismo ecológico
Para alguns setores conservadores uruguaios, assim como existem ‘tours gastronômicos’ em Lima ou do vinho em Santiago, Montevidéu poderá converter-se num paraíso para consumidores de maconha que não podem obter a droga em seu próprio país.

“Virão do Brasil, da Argentina, para consumir no Uruguai”, afirmou Pedro Bordaberry, senador uruguaio do Partido Colorado e um dos presidenciáveis para 2014, falando ao canal Globo News. Apesar de a norma proibir a compra de maconha por parte de estrangeiros não residentes, Bordaberry considera que os uruguaios que não consumirem sua parte vão comprar e revender o produto aos visitantes. ‘Como fazer para controlar isso?’, questiona.

Dessa forma, enquanto o pequeno país progressista pode fumar maconha, o resto da região parece aplicar as duas regras que muitos consumidores usam em Brasília quando são abordados pela polícia: a primeira, negar sempre que consumiu maconha e, a segunda, jamais quebrar a primeira regra.

Via: G1