Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

‘Dei gotas de esperança a ele’, diz mãe sobre remédio derivado de maconha

Maconha é remédio. E agora? Agora, por mais que os proibicionistas queiram relutar, é fato e não se pode mais esconder da sociedade. Depois de virem à tona casos como os das garotas Charlotte (Colorado, EUA) e Any Fischer (Brasília), muitas famílias estão recorrendo à Justiça para conseguirem acesso à maconha medicinal. No caso do garoto João Alves, a Justiça não só autorizou a importação do CBD como obrigou Estado e Prefeitura a fornecerem o medicamento. As informações são do G1.

‘Eu dei gotas de esperança a ele. Até então, ele só dormia e tinha crises mesmo quando estava entubado’. O relato é da dona de casa Joseane Aparecida Marcolino Alves, de 30 anos, que há dois meses decidiu tratar o filho de 7 anos com o medicamento Canabidiol (CBD), que tem substâncias derivadas da maconha. Proibido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil, o remédio foi o único capaz de controlar as crises convulsivas crônicas do garoto, que ocorriam de 30 a 40 vezes ao dia, segundo a mãe. A Justiça determinou que o Estado de São Paulo e a Prefeitura de São Carlos (SP) forneçam o medicamento ao paciente.

João Alves foi diagnosticado com Síndrome de Dravet, uma forma de epilepsia infantil. O transtorno, que tem incidência de um caso para cada 20 mil nascimentos, começa com crise epiléptica ainda no primeiro ano de vida e comportamentos autistas a partir do segundo ano, sendo que seu tratamento possui intenção de atenuar as convulsões, mas não de reverter a doença.

//vimeo.com/101795859

A opção da família pelo medicamento Canabidiol veio depois de várias tentativas frustradas com outros remédios. “Ele tomou todos os anticonvulsivos que existem. E em dose tão alta que o fígado dele estava se desmanchando, nós tivemos que suspender a dosagem imediatamente. E o CBD, eu estou vendo que tem resultado”, contou Joseane.

Segundo ela, logo nos primeiros dias de uso do medicamento, comprado de forma clandestina, as crises já foram reduzidas drasticamente. “Ele passou a ter quatro crises por dia e agora estabilizou, não tem mais nenhuma. Além disso, meu filho agora anda, come, fala, faz arte o dia inteiro”, comemorou.

Leia também:  Vereador quer 3% das vagas de emprego a recuperados de drogas

CBD
O canabidiol é uma substância química encontrada na maconha que, segundo estudos científicos, tem utilidade médica para tratar diversas doenças, entre elas, neurológicas. Medicamentos comercializados no exterior já utilizam a substância derivada da Cannabis sativa. A reclassificação do CBD é discutida pela Anvisa e defendida pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP).

Em maio, uma reunião da Diretoria Colegiada do órgão, em Brasília (DF), discutiu se o Canabidiol seria retirado da lista de substâncias de uso proscrito para entrar para a lista de substâncias de controle especial (comercializado com receita médica de duas vias). Entretanto, um dos diretores pediu vista do processo, o que adiou a decisão. Na ocasião, a assessoria de imprensa da Anvisa informou que uma nova sessão está prevista para agosto.

Custo
A maior dificuldade da dona de casa é arcar com os custos do medicamento. “Na primeira importação, paguei R$ 1.444 por uma ampola, que é suficiente para um mês. Depois disso, comprei um genérico que é em gotas. Nesse segundo paguei R$ 550 por 70ml”, afirmou.

O marido de Joseane é mecânico e ganha R$ 1,3 mil por mês e Joseane vende películas em gel para colar na unha. “Tem dias que tiro R$ 10 com isso, tem dias que não tiro nada e é muito pouco. A gente gasta R$ 600 com moradia. Eu nunca teria condições de comprar esse medicamento”, disse a mãe do garoto.

A família recebeu ajuda da família, amigos, vizinhos e empresários da cidade. “Já fizemos até rifa para conseguir juntar dinheiro e comprar o medicamento. Recebemos muita ajuda até agora”, comemorou a mãe.

Justiça
Menos de um mês depois de ver o resultado do medicamento, Joseane decidiu recorrer à Justiça para tentar trazer o remédio legalmente para o país e pedir que o governo ajudasse no custeio. A pedido da família, a Defensoria Pública do Estado em São Carlos entrou com uma ação judicial para que governo e Prefeitura acionem a Anvisa com um pedido especial de importação dos Estados Unidos, onde o medicamento é legalizado, e arquem com o custo do remédio.

Leia também:  Maconha: 4 diferenças cruciais entre Brasil e Uruguai

O Tribunal de Justiça concedeu a liminar e determinou que o Estado de São Paulo e a Prefeitura de São Carlos forneçam o medicamento Canabidiol ao paciente. “Estou muito feliz, eu jamais teria condições de arcar com esse medicamento e sem ele tenho medo que meu filho morra”, disse a mãe.

Na decisão, o juiz de direito Claudio do Prado Amaral considera que a criança já fez uso de diversos medicamentos que não apresentaram resultados e ainda que ela já vem usando o Canabidiol sativa como medicamento, o que melhorou as crises convulsivas.

O juiz ressaltou também que em caso semelhante, uma criança aguardava por esta medicação e acabou morrendo pela demora na prestação ordenada. A liminar, expedida no dia 27 de junho, estipula prazo de 30 dias para a entrega do remédio. Em caso de descumprimento, a multa é de R$ 500 por dia.

Com a decisão da Justiça, a família já começou a fazer planos. “Ele me pede para ir à escolinha, mas não pode, porque qualquer alteração no ambiente – frio, calor, tumulto – desencadeia a crise se ele estiver sem esse medicamento. Agora, se a gente conseguir mesmo o CBD, eu espero que ele volte a frequentar a escola a partir do ano que vem”, comentou.

Estado e Prefeitura
A Secretaria de Estado da Saúde informou, em nota, que vai pedir um prazo maior porque é inviável o cumprimento da liminar no prazo estabelecido. O governo alega que é preciso cumprir uma série de etapas para a compra, incluindo autorização de importação pela Anvisa e desembaraço alfandegário por parte da Receita Federal.

A Prefeitura de São Carlos informou que já adotou todas as providências necessárias e que está seguindo a mesma decisão da secretaria estadual.

~ Na pontinha

Agora o próprio governo é quem está passando maus bocados com a proibição. O governo do Estado de São Paulo e a Prefeitura de São Carlos estão sentindo na pele as dificuldades pelas quais passam as famílias brasileiras que precisam do CBD, na hora de conseguir a liberação da Anvisa e para arcar com altos custos de importação.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here