Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Dr. André Barros*, advogado da marcha da maconha e membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ, aborda a falta de respeito e o cerceamento do direito individual e coletivo de manifestação, garantido pela Constituição Federal, mas sequestrado por policiais, juízes e desembargadores.

Toda essa gana em prender pessoas que participam de manifestações políticas é uma violência à Constituição da República Federativa do Brasil. Na realidade, os manifestantes estão protegidos e defendendo a Carta Política do país. O sistema penal – polícia, ministério público, juízes e desembargadores – é que não está respeitando a maior lei do Brasil.

Se não aceitam o direito individual e coletivo de manifestação, garantia fundamental prevista no inciso XVI do artigo 5º da Constituição Federal, então, deveriam ir às ruas para lutar por outra Carta Política, pois a atual é muito clara e a referida cláusula é pétrea, sequer podendo ser modificada por emenda, apenas por nova Constituição da República:

Leia também:  DITADURA DEMOCRÁTICA

“TÍTULO II
DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS
CAPÍTULO I
DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
Art. 5º……………………………………………………………….
XVI – todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente.”

A Constituição do Rio de Janeiro deveria ser mostrada aos policiais que estão nas ruas dando tiro, porrada e bomba nos manifestantes, pois o artigo 23 da Constituição do Estado esclarece qual é o papel da polícia nas manifestações:

“Art. 23 – Todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo exigido apenas prévio aviso à autoridade.

Parágrafo único – A força policial só intervirá para garantir o exercício do direito de reunião e demais liberdades constitucionais, bem como para a defesa da segurança pessoal e do patrimônio público e privado, cabendo responsabilidade pelos excessos que cometer.”

Os policiais deveriam saber que seus superiores e o sistema penal estão dando ordens inconstitucionais, pois o dever precípuo do policial é garantir o exercício do direito de manifestação e demais liberdades constitucionais.

Leia também:  PRESUNÇÃO DE MACONHA

A nova geração é a multidão que tomou ruas, praças e avenidas de todo o país e que enche de orgulho o Brasil. As manifestações são fundamentais para mudar um país que é roubado anualmente pelos banqueiros, que ficam com 45 % do orçamento do Brasil todos os anos, os maiores assaltantes do Tesouro Nacional.

*André Barros é candidato a deputado estadual, nº 50420, advogado da Marcha da Maconha, mestre em ciências penais, membro licenciado da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ e do Instituto dos Advogados Brasileiros

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here