Queria escrever sobre a ditadura religiosa que vivemos no Brasil. Depois da aliança do governo federal com setores fundamentalistas evangélicos pelo PLC 37/2013, temos agora traficantes evangélicos que perseguem o candomblé e a umbanda. O líder religioso da primeira igreja rastafári no Brasil, Ras Geraldinho, foi condenado a 14 anos de prisão como traficante. A inviolável liberdade de crença, assegurada pelo livre exercício dos cultos religiosos, é letra morta constitucional.

Mas acabei de chegar, por volta de 6 horas da manhã, de uma longa madrugada na 12ª DP. Mais de 50 pessoas foram levadas à delegacia de Copacabana e, infelizmente, 5 ficaram presas. Centenas de manifestantes foram presos nas delegacias do centro, São Cristovão, Meier e Ilha do Governador. Em torno de 100 pessoas ficaram presas e vão para os sinistros presídios de Bangu.

Depois da aplicação da inconstitucional Lei de Segurança Nacional pela polícia de São Paulo, no Rio de Janeiro, foi aplicada a nova lei de exceção nº 12850/2013, lei das organizações criminosas. Toda essa repressão já era anunciada no início da imensa manifestação dos professores na avenida Rio Branco do Rio de Janeiro. O impressionante efetivo policial cobria o centro da cidade com seu estado de exceção. As prisões já eram esperadas pelo cerco preparado pela polícia para os manifestantes.

A citada lei de agosto desse ano estabelece pena de 8 anos de reclusão, isso para impedir até a aplicação de fiança. Além de ressuscitar a LSN, a nova legislação de segurança nacional já está em vigor para tentar garantir a copa do mundo e as olimpíadas. É a LOC, lei das organizações criminosas, que anuncia o novo instrumento jurídico da ditadura democrática em vigor.

Escrevo pouco, porque o cansaço de uma longa noite de lutas é grande, abraço bem apertado.