Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A “Plim Plim” nunca teve tanta audiência dos antiproibicionistas, receosos e um tanto desacreditados, voltados para a matéria do “Profissão Repórter” que foi exibido na terça. A Globo, coincidentemente ou não, abordou em “Tapas e Beijos”, o consumo de drogas lícitas e ilícitas. Os escaldados com a grande mídia podem não ter percebido, porém o Deputado Federal Jean Wyllys, do PSOL-RJ, não deixou passar e opinou, em sua página no facebook, com inteligência sobre a exibição do programa.

Confira a opinião de Jean Wyllys, assista o episódio e opine.

O episódio, exibido no último dia 29/10, de #TapasEBeijos foi incrível. Muita inteligência e humor para tratar do tema do consumo de drogas legais e ilegais!

Na verdade, #TapasEBeijos usou o humor para questionar aqueles que se drogam legalmente, mas atacam os que se drogam ilegalmente. O programa também colocou, no rol das substâncias nocivas mas legais, os remédios para emagrecer, o açúcar e o tabaco. Muito bom!

A culpa do crime nunca é da faca (Eduardo Galeano). Se alguém vira mendigo dependente de drogas, a culpa não é da droga em si. É preciso sempre distinguir USO de ABUSO de drogas. A grande maioria faz USO. Quem abusa precisa de tratamento médico!

A maioria dos brasileiros faz USO de álcool. Só quem ABUSA é alcoólatra e deve ser tratado como doente (e não como criminoso) e não é porque alguns ABUSAM do álcool que todos devem ser proibidos de tomar sua cerveja ou caipirinha no fim do expediente!

Além disso, só pudemos aprovar uma Lei Seca porque o álcool é uma droga legal e regulamentada. Se não fosse, a lei nem seria proposta! E só pudemos colocar avisos sobre o câncer em carteiras de cigarro porque o consumo de tabaco é legalizado e regulamentado.

Outra coisa: não se deve nivelar as drogas ilegais; do contrário, passaremos a nivelar tabaco e álcool ao crack e à heroína. O consumo de drogas ilegais deve ser tratado em suas especificidades e a partir de estudos científicos e não de preconceitos!

Se quem bebe álcool não quer ver sua droga ser comparada ao crack, por que quem fuma maconha deve aceitar tal comparação?

E mesmo as pessoas que ABUSAM de drogas devastadoras devem ser tratadas como doentes e não como criminosos a serem descartados.

Por fim, não é porque existem pessoas que ABUSAM de Lexotan que o Lexotan não deva ser recomendado por médicos para tantas pessoas. Quando o assunto é consumo de drogas (legais e ilegais), precisamos de mais informação de qualidade e de menos preconceitos.

Ria, mas atenção no Kibe do Sr. Chalita, que é de tudo menos de maconha.

Leia também:  Nos Eua, animais de estimação poderão em breve serem tratados com maconha medicinal

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here