Um excelente motivo para todos os países adotarem a regulação da maconha é o econômico, a erva sempre gerou uma boa economia ao tempo que estando ‘proibida’ quem se beneficia com essa economia é o crime organizado e toda malha por trás da sua proibição. Confira as empresas americanas que estão usam a maconha como base dos seus negócios, as informações são do The São Paulo Times*

Os Estados Unidos segue rumo a descriminalização ou legalização da maconha, tanto para uso médico ou lazer. Dentro dessa realidade, algumas empresas encontraram formas de construir um negócio usando a plana alucinógena que ainda é ilegal em grande parte dos EUA.

A maconha se tornou legal em Washington e Colorado no início do ano, depois que os eleitores desses estados deram o sinal verde em 2012. Já no Alaska, os eleitores poderão votar em agosto para decidir se o estado vai ser o terceiro do país a parar de proibir o uso recreativo da maconha. Uma pesquisa divulgada pela Universidade Quinnipiac, mostrou com uma margem confortável de 18 pontos percentuais, onde sugere que os moradores de Nova York, famoso por ser um estado com rígidas leis de drogas, aprove a legalização de pequenas quantidades de maconha para uso pessoal

É difícil estabelecer as estimativas de valores com a legalização da maconha nos Estados Unidos, até porque, o preço atual da planta é artificialmente elevado, afinal, tratar uma substância ilegal é um risco significativo para os negociantes do mercado negro e seus compradores. Um relatório em 2011, baseado no crescimento de novos mercados, estima-se que o valor da maconha medicinal só iria crescer de US$ 1.7 bilhão para aproximadamente US$ 9 bilhões em 2016.

Conheça algumas empresas que começaram a se posicionar para lucrar com a planta:

PETROTECH Oil and Gas Inc. – Com sede em Nevada Henderson, criou uma subsidiária no Colorado e Washington chamado LP.US Management Group Inc. e estabeleceu acordos com os produtores para entregar as suas mercadorias ao mercado. PETROTECH afirma que já tem acordo com cinco produtores não identificados nesses estados. O site da empresa tem planos em criar linhagens da marca, fazendo comestíveis à base de maconha, óleos de hash butano e loções para o corpo.

Hemp, Inc. – A empresa é especializada em produtos à base de cânhamo, fibras duras do caule da maconha, popular entre muitos ambientalistas que vêem como uma alternativa natural para fibras à base de petróleo.

A Industrial and Medical Marijuana Consulting Company, Inc., subsidiária da Hemp Inc. anunciou um acordo com Webxu, Inc., empresa de mídia digital com desenvolvimento em e-commerce, com sede em Los Angeles, que vai ajudar a expandir a página na web da empresa Hemp e levar a maconha medicinal para as indústrias. No início do ano, a Hemp Inc. e Dewmar Internacional BMC, Inc. concordaram em vender comestíveis à base de cânhamo para todos os 50 estados.

Nuvilex, Inc. – Empresa de biotecnologia com sede em Maryland Silver Springs, está envolvida principalmente com pesquisa e desenvolvimento de tratamentos de pâncreas e câncer de mama, mas está se movendo para se tornar um aliado da maconha medicinal. Em dezembro, a empresa contratou Mark L. Rabe, um médico e especialista em usos medicinais usando a cannabis, para desenvolver um cargo na empresa com foco na maconha medicinal, que é freqüentemente prescrito como tratamento para náusea induzida por quimioterapia.

GW Pharmaceuticals PLC – Empresa biofarmacêutica sediada no Reino Unido Salisbury, especializada em medicamentos de prescrição baseada em cannabis. Em janeiro, a empresa assinou um acordo com a farmacêutica francesa Ipsen SA para fornecer Sativex, um extrato de cannabis que é usado para tratar espasmos causados ​​pela esclerose múltipla, na América Central e América do Sul .

Combustíveis alternativos Americas, Inc. – Empresa de biocombustível com base em Hollywood, Flórida, anunciou no início deste ano a Marijuana Holdings Americas , Inc. “Servir de veículo para a entrada no setor de maconha legal”. A companhia está buscando licenciamento para o cultivo e a venda de maconha para fins recreativos e medicinais e diz que pretende possuir estufas e lojas de varejo.

*The São Paulo Times® Difundi o conteúdo da premiada revista americana Newsweek®, trazendo matérias e notícias, além de identificar tendências por meio de uma equipe de jornalistas e colunistas especializados em diversos assuntos.