Pacientes se unem em página, no facebook, para defender uso de maconha medicinal. Em menos de 24 horas, a página já contava com mais de mil participantes.

O ativismo brasileiro não cansa de gritar pela regulação da maconha no Brasil, as redes sociais exercem um papel essencial na luta e o mais novo meio de mostrarmos, à sociedade e seus legisladores, a verdade sobre a maconha vem da página “EU USO MACONHA MEDICINAL“, criada recentemente (13/02).

Apologia à cura

A iniciativa visa reunir depoimentos de diversos paciente que fazem ou fizeram uso da maconha auxiliando no tratamento de alguma doença ou condição, aproximando e explanando cada vez mais os benefícios medicinais que a erva possui da sociedade.

De acordo com o Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (CEBRID), atualmente a maconha é reconhecida como medicamento em pelo menos três condições clínicas: redução ou extinção de náuseas e vômitos produzidos por medicamentos anticâncer; efeitos benéficos em alguns casos de epilepsia; e, melhora no estado geral de pacientes com AIDS podendo ainda impedir que o vírus HIV se espalhe, conforme noticiado em pesquisa da universidade do estado da Louisiana, nos EUA.

Leia também Maconha pode impedir que vírus HIV se espalhe

Na página no Facebook, Maria Antonia Goulart, de São Paulo, que superou um câncer e hoje sofre com as dores da fibromialgia afirma que faz uso de maconha medicinal como alternativa ao tratamento composto por antidepressivos, anti-inflamatórios, cortisona, analgésicos, vitaminas e morfina.

“(…) Não é sempre que tenho acesso a minha erva, tenho que sempre procurar e comprar no comércio ilícito e adquirindo uma erva de qualidade duvidosa, mas mesmo assim ajuda aliviar minhas dores. A legalização do cultivo caseiro evita o contato com o comércio ilícito[…] Eu sei que aqui no Brasil infelizmente a maconha é ilegal, mas vou continuar usando.’Minhas dores são maiores que a Lei (…)” –  Maria Antonia sofre de fibromialgia e superou um câncer.

Além de Maria Antonia, Gilberto Castro, de 40 anos e portador de esclerose múltipla, e Rose Castro, diagnosticada com três hérnias de disco, também afirmam serem usuários de maconha medicinal.

“(…) a diferença de com e sem a planta é gigantesca, a cannabis faz parar completamente os espasmos, choques também, principalmente um que da no pescoço que é uma machadada. Estes dois sintomas que considero pior, e com a cannabis somem como mágica, parece que nunca existiu, eu posso dormir que nem um bebe, e todas as outras sensações as que não somem completamente, aliviam a um nível muito fácil de conviver(…)” – Gilberto Castro portador de esclerose múltipla.

“(…) Um dia uma pessoa me ofereceu um baseado e eu aceitei, depois de umas três tragadas logo percebi que tinha encontrado o remédio perfeito, pois a dor passou como mágica! Passei a pesquisar sobre a maconha, lendo, assistindo vídeos, falando com pessoas que usavam, então resolvi jogar no lixo os remédios que tomava e passei a fumar todas as noites. Desde então eu não travei mais, não precisei mais ser levada ao hospital. Passei a viver com mais dignidade, paz, alegria, finalmente passei a me sentir feliz!!! (…)” – Rose Castro diagnosticada com três hérnias de disco.

A página é embasada no parágrafo único do artigo 2º da lei 11.343 de 23 de agosto de 2006, que estabelece que “pode a União autorizar o plantio, a cultura e a colheita dos vegetais referidos no caput deste artigo, exclusivamente para fins medicinais ou científicos, em local e prazo predeterminados, mediante fiscalização, respeitadas as ressalvas supramencionadas.”

Caso você conheça ou seja um usuário de maconha medicinal, curta e compartilhe a página EU USO MACONHA MEDICINAL e mande o seu depoimento. Com isso a sociedade terá, além das pesquisas, o depoimento de cada um que se beneficia de um uso que já é realidade no Brasil, e apesar de ainda proibido segue auxiliando no tratamento de muitos.