Ex-agente da DEA muda de emprego para se juntar a empresa de investimento na indústria da maconha legal

Em uma década, na Drug Enforcement Administration, Patrick Moen supervisionou uma equipe de agentes no combate contra metanfetamina e heroína em Oregon – antes de desistir de tudo e se juntar à nascente indústria da maconha legal no estado de Washington.

Em novembro, o ex-agente antidrogas federal deixou o cargo para trabalhar para uma empresa de investimento na indústria da maconha e diz que se sente outra pessoa ao entrar na instalação de uma indústria florescente ao tempo em que ele já foi convocado para destruí-la.

Como diretor e conselheiro sênior da Privateer Holdings, uma empresa que investe estrategicamente no mercado legal da cannabis com base em Seattle, Patrick Moen afirma que adicionou o seu nome a uma lista pequena, porém crescente de pessoas com origens improváveis que se juntaram ou apoiam por trás as empresas de maconha licenciadas pelo estado.

Em Oregon, outro ex-agente da DEA com base em Portland, Paul Schmidt, que se aposentou na agência em 2010, criou recentemente uma loja e atende como um consultor para empresas de maconha medicinal, depois de trabalhar como inspetor de dispensários de maconha medicinal no estado do Colorado.

No ano passado, o ex-presidente do México, Vicente Fox visitou Seattle anunciando o seu apoio a uma empresa da maconha liderada pelo ex-executivo da Microsoft Jamen Shively. O departamento de polícia de Seattle está cogitando a possibilidade de permitir que os oficiais atuem como seguranças em lojas de maconha, com previsão para inaugurarem ainda este ano.

Moen, cuja mudança de trabalho foi criticada por seu ex-chefe na DEA, disse que ele nutriu um sentimento crescente com os casos de maconha, ele trabalhou e as leis que sustentavam o trabalho dele estavam equivocadas.

Evoluindo a visão

Durante o verão, Moen marcou um encontro com o executivo da Privateer Holdings Brendan Kennedy em um café de Portland, onde ele apresentou seu cartão de visita do DEA a Kennedy antes de entrega de um envelope. Kennedy temia que continha uma intimação, mas ficou aliviado ao invés disso ter em anexo uma cópia do currículo de Moen, disse o CEO.

Entre suas atribuições na Privateer, Moen ajuda a prevenir as armadilhas legais, já que a empresa impulsiona o cultivo de maconha medicinal no Canadá – um salto significativo para uma empresa que até recentemente investiu apenas no comércio à margem do tráfico de maconha.

O salário e os benefícios de seu novo trabalho são próximos a “uma lavagem de dinheiro” comparada com as gratificações da posição anterior, disse Moen, mas incluem opções de ações de uma empresa com o objetivo de tornar-se um pilar da indústria.

2014-01-20T134202Z_1260932944_GM1EA1K1O7M01_RTRMADP_3_USA-DEA-MARIJUANA
O ex-agente da DEA Moen, agora diretor de conformidade da Privateer Holdings, que assessora as empresas de investimento na indústria da maconha em Seattle

O valor de Moen para Privateer virá provavelmente em orientar a empresa sobre como ficar longe de atividades que alertem às autoridades federais, disse Hilary Bricken, uma advogada de negócios da maconha com sede em Seattle.

“É extremamente irônico”, disse ela. “É de rachar a cabeça apoiar um mercado que você já prometeu destruir completamente.”

Com sede em Seattle o agente especial da DEA, Matthew G. Barnes, o topo do ranking oficial da agência, considera a mudança na carreira de Moen um ato de abandono.

“É decepcionante quando policiais, que juraram defender as leis dos Estados Unidos, com honra, coragem e integridade, abandonam o seu compromisso e trabalham em uma indústria envolvida no tráfico de maconha”, disse Barnes à Reuters em um comunicado.

Ressaltando a divisão entre a DEA e uma indústria emergente da maconha recém sancionada por alguns estados, o chefe da agência de operações, James Capra, denunciou em uma audiência no Senado dos EUA que o movimento para acabar com proibição da maconha é “imprudente e irresponsável”.

Mas Moen disse que nem todos os seus ex-colegas reagiram negativamente à sua jogada.

“Eu recebi muito apoio dos colegas”, disse Moen. “Eu não tinha certeza de como vocês iriam reagir e tem sido muito gratificante o apoio”.

Via Yahoo.com
Tradução SmokeBud