Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Esquerda mexicana prepara rascunho de lei para efetivar despenalização da droga na capital. Projeto tem apoio de ex-governantes do Brasil, México, Chile e Colômbia

CIDADE DO MÉXICO – A poucos dias de sua apresentação, a iniciativa de lei preparada pela esquerda mexicana na Assembleia da Cidade do México para regularizar o consumo de maconha recebeu o apoio de quatro ex-presidentes latino-americanos. Os antigos governantes Ernesto Zedillo (México), Ricardo Lagos (Chile), Fernando Henrique Cardoso (Brasil) e César Gaviria (Colômbia) escreveram uma carta ao prefeito da capital, Miguel Ángel Mancera, na qual mostram seu respaldo ao projeto e reconhecem que “a iminente discussão do texto” coloca o México à frente de um debate necessário em toda a região.

Os mesmos ex-presidentes já tinham se mostrado a favor, em 2012, de uma mudança no paradigma do combate ao narcotráfico, que tem mais de quatro décadas de vigência e escassos resultados. “Quarenta anos de imensos esforços não conseguiram reduzir a produção nem o consumo de drogas ilícitas. No México e na América Central, a violência e a corrupção associadas ao tráfico de drogas representam uma ameaça à segurança e à estabilidade democrática”, relataram no documento.

Na nova correspondência dirigida a Mancera, os ex-políticos o parabenizam pelo compromisso e a liderança de planejar políticas melhores sobre as drogas e mostram “plena confiança” em que a lei será aprovada.

A esquerda mexicana – liderada pelo Partido da Revolução Democrática (PRD) – prepara há quase um ano o rascunho de uma iniciativa para efetivar a despenalização da maconha, com certas condições, na Cidade do México. Há anos a capital está na vanguarda das políticas progressistas no país, como foi com a lei do aborto e o casamento gay, ambos aprovados na metrópole.

O modelo para os legisladores mexicanos seria, a princípio, o adotado pelo estado americano do Colorado, que em maio de 2013 regularizou a venda, a produção e os impostos sobre a maconha para uso recreativa. Desde janeiro, os moradores do estado ganharam permissão para cultivar até seis pés da planta para uso pessoal e comprar até 28 gramas em estabelecimentos autorizados.

Entraves com o presidente mexicano

Embora ainda não se conheça o texto definitivo, inicialmente a iniciativa mexicana não irá tão longe como os legisladores gostariam. Os responsáveis pelo rascunho adiantaram que haverá uma lei mais flexível que a atual, mas em consonância com as políticas mais conservadoras em relação às drogas do governo de Enrique Peña Nieto.
Cogita-se que o projeto aumente a quantidade permitida de posse da droga e autorize seu uso científico e médico, mas coffee shops como os da Holanda ou a autoprodução, como no Colorado, parecem fora de questão.

– Certamente será apresentada ao longo desta semana ou na seguinte. Está a ponto de sair do forno – revelou uma fonte do PRD.

Atualmente, no México, é permitida a posse de 5 gramas de maconha por pessoa. A partir dessa quantidade, uma pessoa pode ser processada por narcotráfico. Só na Cidade do México, a droga movimenta US$ 28 milhões de dólares anuais, segundo um estudo do Coletivo por uma política integral em relação às drogas (Cupihd), organização a favor da legalização. Estima-se que existem na capital cerca de 75 mil consumidores frequentes da erva, a maioria homens.

O Uruguai foi o primeiro país do continente que legalizou a maconha. As repercussões de uma novidade dessa no México – que faz fronteira com os Estados Unidos e convive com poderosos cartéis locais – poderiam ser muito maiores, mas o debate não está na agenda do presidente Enrique Peña Nieto, em sintonia com a luta contra as drogas com seu homólogo americano, Barack Obama.

A posição agora demonstrada pelos quatro ex-presidentes latino-americanos, reunidos na Global Comission on Drug Policy, é oposta. Eles mostram-se mais favoráveis à regulação do que ao combate frontal contra o consumo e a produção.

O deputado Vidal Lleneras, um dos redatores da iniciativa, considera que a principal missão da nova lei é descriminalizar o consumo de maconha, tanto quanto for possível pelas leis locais frente às federais.

– Trata-se de que um portador de quantidades razoáveis não seja preso, que é o que está acontecendo. A quantidade tolerada é muito baixa, e há pressão por parte das autoridades para que as pessoas sejam detidas – explica Lleneras.

No ano passado, o também ex-presidente Vicente Fox iniciou uma campanha na mídia a favor da despenalização. O político, que antes de chegar à presidência mexicana foi agricultor e comerciante, reconheceu que ele mesmo poderia dedicar-se ao cultivo de maconha caso ela fosse legalizada.

Atualmente, é a Cidade do México que está à frente desse processo. Sua aprovação poderia ser um primeiro passo em direção a outra forma de entender a luta contra as drogas num país que sofre com o problema do narcotráfico desde os anos 1930.

Por Juan Diego Quesada do EL PAÍS
Via O Globo

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

pessoas


Curte nossa nova página no Facebook

Não há comentários ainda, seja o primeiro a comentar!