A experiência de Maastricht com a comercialização da maconha

Por décadas, os coffeeshops da Holanda se tornaram atrações turísticas como Rembrandt e os moinhos de vento. Estes pequenos shops vendem maconha abertamente ao público dentro da legalidade, gerando ao governo taxas, que chegaram, em 2011, ao montante de 430 milhões de euros (na Holanda a maconha é classificada no gruposoft drugs, cocaína e heroína são hard drugs).

Muito dos turistas que visitam a Holanda adoram experimentar as especialidades local, fumando um cigarro ou inalando um bong de maconha no coffeshop, e muito deles transportam o produto em quantidade para seu local de origem, com a finalidade de revendê-lo.

Para muitos personagens políticas do país isso trouxe também uma preocupação quanto à imagem que a nação conquistou de “turismo da droga”. Em 2010 foi criado uma lei, que proíbe a venda de soft drugs aos turistas, devendo em 2012, primeiramente, ser implementada em três cidades situadas ao sul do país. No resto do país, tal implementação ocorreria em 2013.

Maastrich, uma cidade de 120mil habitantes, espremida em um estreito entre a Bélgica e a Alemanha implementou a lei em 05 de Janeiro de 2012. A cidade recebe por volta de dois milhões de visitantes anualmente, e conforme declaração do prefeito Onno Hoes – um dos esteios do primeiro ministro Mark Rutte do Partido Liberal- esse pessoal causa muitos problemas para a cidade: “Eles estacionam erroneamente, dirigem em alta velocidade, jogam lixo na rua, atraem os traficantes de drogas e outras coisas” disse ele.

Segundo a lei somente os residentes catalogados podem frequentar os coffeeshops, e para isso foi criado um cartão de identificação, que logo foi apelidado de weed pass (passe da erva). Conforme o porta voz da prefeitura local, esse seria um dia importante para a Holanda, os turistas da droga vêm dos países vizinhos e da França, superlotando os 14 coffeeshops da cidade, excedendo sua capacidade e consequentemente procurando o comercio ilegal das ruas. “Esperamos que os estrangeiros permanecendo em casa, faça com que os traficantes de rua desistam desse comercio” disse ele.

O presidente da União dos Coffeeshops de Maastricht e proprietário do coffeeshop Easy Going retrucou: “Com todo respeito, penso que tudo isso não faz sentido, se o problema é os vendedores ilegais de rua, porque atacar oscoffeeshops?”

O presidente da associação informou que apenas 100 pessoas haviam se cadastrado no weed pass, os demais cidadãos receiam serem fichados como consumidores nos arquivos federais e também temem a falta de garantia da privacidade. Sem o weed pass até os cidadãos holandeses são proibidos de frequentar os coffeeshops .

“Como resultado, das 440 pessoas que trabalham nos coffeeshops de Maastricht, 360 foram dispensadas hoje. Temos também reflexo nos hotéis, restaurantes, bares, postos de gasolina e nas lojas de roupas que geravam 89 milhões de euros apenas em Maastrich” ele disse. Citou também que um estudo recente previa a perca de 1.500 empregos na cidade devido à nova lei.

Com o aumento do tráfico de droga na rua começou haver o serviço “delivery in home” e já não se faz mais distinção entre “soft e hard drug” e mesmo o fator idade para consumo começou a ser ignorado. Pressionado, o prefeito atual declarou o fim do weed pass.

Com a volta da legalização do comércio de droga, esperava-se que a normalidade voltasse às ruas da cidade, porém não foi o que aconteceu. Traficantes veem nos coffeeshops um forte concorrente aos seus negócios e passaram a ameaçar os proprietários, funcionários e até mesmo os frequentadores, como foi o caso da pessoa que filmou o vídeo abaixo. Devido ao grande aumento de trabalho que a polícia sofreu ultimamente, o chefe de distrito declarou que a polícia local não possui estrutura para executar o policiamento devido.

[youtube id=”0mnJh7wzVVU” width=”620″ height=”360″]

O prefeito, agora, novamente mudou seus planos e pretende transferir os coffeeshops para uma área industrial, ao lado da divisa com a Bélgica, em Eijsdein. A Suprema Corte de Haia já aprovou a mudança. Porém, os prefeitos de cinco cidades belgas (Voeren, Riemst, Blegny, Visé and Lanaken), fronteiriças, adjacentes com a região, reclamaram alegando que, o prefeito de Maastricht pretende resolver seus problemas transferindo-os para outros prefeitos. E por não encontrarem apoio às suas reivindicações em Haia, prometem acionar a Corte da União Europeia.

Essa situação provocou o prefeito de Voeren, Huub Broer, quem garantiu que a vida dos coffeeshops em Eijsdein não será nada fácil, e ameaça usar uma lei da UE que permite fechar as estradas que atravessam a fronteira quando houver ameaças de riscos.

E agora prefeito Ono Hoes?

Na Holanda 9,5% dos jovens e adultos (idade 15-34) consome soft drugs uma vez ao mês. No mesmo nível que Filandia 8% – Letônia 9,7% – Noruega 9,6 – República Checa 9%.

Os números crescem na UK 13% – Itália (o líder) 20,9% – Espanha 18,8% e França 16,7% (números retirados do Dailymail-UK, fonte não informada).

Referências:

https://www.forbes.com/sites/ceciliarodriguez/2012/10/12/weed-for-all-again-dutch-politicians-say-maybe/

https://www.dailymail.co.uk/news/article-1339164/EU-rules-Dutch-BAN-coffee-shops-selling-marijuana-tourists.html

https://www.irishtimes.com/news/world/europe/anger-at-court-decision-to-move-maastricht-s-drug-coffee-shops-1.1495487

https://www.hngn.com/articles/5139/20130612/dutch-coffee-shop-owners-sell-marijuana-foreigners-trial-begins-wednesday.htm

https://www.forbes.com/sites/andrewbender/2012/05/01/dutch-government-to-foreigners-no-more-weed-for-you/

Por Stanilaw Calandreli,
via Luis Nassif 

  • Gustavo Furtado

    O negócio la ta sério… estão retroagindo para o proibicionismo! Pra quebrar o tráfico é só liberar a abertura de mais canabisshop e diminuir a tributação para que os consumidores possam comprar nos coffers sem ter que pegar de traficantes por mais barato! Deveria-se investir em fiscalização (policial) melhor nas ruas, combatendo os traficantes, com sistema de denuncias anônimas, leis severas para tráfico etc… Com uma mínima % que o governo arrecadasse com os impostos daria pra manter a cidade segura!