George Soros não é apenas um filantropo multimilionário. Ele também é um dos maiores acionistas da Monsanto, a multinacional de sementes que busca criar maconha transgênica.

O milionário se tornou o maior defensor mundial da legalização da droga através de sua fundação. O mesmo tem contribuído com milhares de dólares para organizações globais que buscam legalizar a maconha. Neste momento recebe criticas de que a sua finalidade pode ser inteiramente “Non santo” [“não santa”].

Soros é um dos principais acionistas da multinacional de sementes Monsanto criticada por sua manipulação do mercado de soja e, agora, o da maconha. De acordo com as regras de patentes se a Monsanto criar uma nova variedade de maconha, por exemplo, com maior quantidade do componente psicoativo [THC], ninguém poderá plantar essa semente se não pagar o “royalty” (direitos autorais) correspondente.

Jamen Shivley maconha smkbd
Jamen Shivley e a marca Diego Pellicer, a “Starbucks” da maconha

Por sua vez, o ex-diretor de estratégia corporativa da Microsoft, Jamen Shively, anunciou planos para criar a primeira marca nacional de maconha nos Estados Unidos, com cannabis que espera importar do México.

A nova empresa está sediada em Seattle, e espera se tornar líder no mercado de cannabis tanto recreativa como medicinal da nação norte-americana.

O empresário disse que o financiamento inicial será de US$10 milhões para seu projeto; que abrangeria, em princípio, dois estados americanos que legalizaram a maconha recreativa e os 18 que permitem o uso medicinal.

“É um mercado gigante em busca de uma marca. Ficaríamos felizes se tivéssemos 40% da maconha em todo o mundo”, disse Shively em declarações publicadas no El Mundo, Espanha.

A nova empresa está sediada em Seattle, e espera se tornar líder no mercado de cannabis tanto recreativa como medicinal da nação norte-americana. O empresário disse que o financiamento inicial será de US$10 milhões para seu projeto; que abrangeria, em princípio, dois estados americanos que legalizaram a maconha recreativa e os 18 que permitem o uso medicinal.

“É um mercado gigante em busca de uma marca. Ficaríamos felizes se tivéssemos 40% da maconha em todo o mundo”, disse Shively em declarações publicadas no El Mundo, Espanha.

Tradução SmokeBud, Via Diario La República

  • Gabriel

    É aí que mora o perigo, esse safado da Monsanto que ser se aproveitar da maconha pra ganhar dinheiro infinitamente.

    • Lucas Giovanni

      Verdade amigo, vamos dispertar e não cair nesse papo ridiculo de maconha transgenica!!!