Categorias
Ciência e Saúde

À revelia da Justiça, associação do Rio fornece óleo de maconha a pacientes

À revelia da Justiça, associação do Rio fornece óleo de maconha a pacientes foi matéria da Folha desta semana. Uma associação de pacientes do Rio de Janeiro está fornecendo óleo de maconha medicinal para um grupo de pessoas mesmo sem autorização judicial para isso. Chama a prática de “desobediência civil pacífica” e já a declarou, inclusive, para a Justiça. A Matéria foi escrita originalmente por Cláudia Collucci.

Presidida pela advogada Margarete Brito, a Apepi (Associação de Apoio à Pesquisa e Pacientes de Cannabis Medicinal) ensina famílias a cultivar a maconha, faz a ponte entre médicos e pacientes e tem parceria com a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) em eventos e pesquisas sobre o tema.

Margarete é mãe de Sofia, 10, que tem uma síndrome rara (CDKL5). Ela foi a primeira do país a obter aval da Justiça para cultivar Cannabis em casa e dela extrair o remédio para aliviar as convulsões da filha.

Isso foi em 2017. A história inspirou outras pessoas com problemas de saúde, que hoje são associadas da Apepi.

Agora, Margarete decidiu extrapolar o seu habeas corpus individual e passou a produzir óleo de Cannabis para 18 pacientes de famílias de baixa renda, que não têm condições de importar o produto.

Seu advogado, Fernando Lau, ingressou com ação na Justiça Federal pedindo uma liminar que autorize a associação a plantar e a produzir legalmente o óleo para os pacientes associados —da mesma forma como ocorre com outra associação de pacientes em João Pessoa (PB).

“Na ação judicial, informei o juiz que a gente já planta para os associados. Eu disse: ‘a gente entende isso não como um crime, mas, sim, uma desobediência civil pacífica em razão do estado de necessidade dessas pessoas, que estão em busca do direito à vida, a garantia maior constitucional.”

Para o advogado, o juiz está numa porta sem saída. “Ou ele prende todo mundo por tráfico ou associação ao tráfico ou ele… São vidas salvando vidas. Ou são pais cuidando de filhos ou filhos cuidando de pais. Não é brincadeira de garoto. É um negócio sério.”

O plantio acontece no quintal da casa de Margarete, na Urca, na zona sul do Rio. As plantas, de quatro tipos diferentes, que produzem CBD (que não dá barato) e THC (que tem efeito psicoativo).

Mesmo ciente que corre riscos com a “desobediência civil pacífica”, a advogada diz que continuará plantando e fornecendo o óleo para os pacientes com ou sem autorização da Justiça. “Sabemos que não estamos acima do bem e do mal, mas vamos seguir com esse trabalho de resistência.”

A ação segue em segredo de Justiça, e o magistrado aguarda mais informações da União e da Anvisa sobre o assunto.

Na última quinta (26), a comissão de direitos humanos do Senado aprovou relatório favorável a uma proposta que regulamenta a Cannabis medicinal no Brasil, que agora passa a tramitar como um projeto de lei, seguindo para comissões de assuntos sociais e de constituição e justiça, antes de ser votada em plenário.

Marcos Langenbach, marido de Margarete e vice-coordenador da Apepi, diz que a demanda pelo óleo de Cannabis é enorme. Entre os pacientes, há desde as crianças e adolescentes com epilepsia e autismo até idosos com Alzheimer e Parkinson. Só têm acesso se tiverem receita médica.

“Tem que ter um médico acompanhando. No CBD não tem contraindicação, mas há casos em que ele não funciona completamente e precisa usar um pouquinho de THC, que tem algumas contraindicações. Por isso é importante médico, pesquisa, para saber o que é melhor para cada doença, cada paciente”, diz ele.

Apesar dos avanços de estudos sobre o uso medicinal da maconha, ainda faltam evidências científicas mais robustas que atestem a eficácia e a segurança dos tratamentos, segundo revisões sistemáticas da Cochrane, rede de cientistas independentes que investiga a efetividade de terapia.

Na Apepi, mais de 300 pessoas já aprenderam sobre cultivo da maconha medicinal. A associação também ministra cursos voltados a médicos sobre a prescrição da Cannabis.

Margarete diz lamentar a polêmica que envolve hoje a proposta de regulação do plantio da maconha medicinal pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que corre o risco de não sair por pressões do Planalto.

“É muito triste. Continuará deixando grande parte dos pacientes na ilegalidade”, diz ela.

O cultivo doméstico de maconha para fins medicinais é uma realidade no país, praticado clandestinamente por grupos de pais e pelos chamados cultivadores, que plantam, fazem o óleo e vendem.

As informações sobre cultivo e formas de fabricação do óleo são trocadas por meio de redes sociais ou em cursos dados por associações de pacientes, conforme a Folha apurou.

“Há mães de família da periferia que plantam para os seus filhos e correm riscos sérios de intervenção da polícia. É diferente das mães de bairros de classe média, que têm atenuantes. As mães da periferia não têm esse cobertor”, afirma Julio Américo, presidente da Liga Canábica, de João Pessoa.

Segundo ele, essas mães pobres não têm como arcar com os custos dos produtos importados à base de canabinoides, no mínimo R$ 1.200 mensais, e são empurradas para a marginalidade, comprando flores de maconha do tráfico para fabricar o óleo em casa.

“São pessoas de bem que podem ser enquadradas. Se não houver autorização de plantio, elas vão continuar plantando porque a escolha sempre será a vida do filho, que melhora muito [com o uso dos óleos de Cannabis].”

Segundo Sheila Geriz, uma das fundadoras da Liga, existe uma rede de cultivadores, pessoas que plantam Cannabis para uso próprio (recreativo ou medicinal) e repassam o excedente, a preço de custo, para os pacientes. Por meio de grupos de pacientes pelo país, a Folha localizou sete deles, mas eles não quiseram falar com a reportagem.

Sheila diz que recorre a um desses cultivadores para obter óleo de THC para ela, que sofre de artrite reumatoide, e para o filho, Pedro, 9, que tem epilepsia refratária. Ela tem autorização judicial para importar o CBD para o filho, mas não o THC.

“Estava de cama, sem me mexer de tanta dor. Com ambos, hoje faço de tudo. Pedro também melhorou muito com a associação do CBD com o THC. Não dá para demonizá-lo.”

A Cannabis produz mais de 80 tipos de canabinoides. Os que têm propriedades medicinas mais conhecidas são o CBD (canabidiol) e o THC (tetrahidrocanabinol)
Cânhamo (em inglês hemp)
É uma planta alta e esguia, com poucas ramificações laterais. Tem alto teor de CBD, sem efeito psicoativo, e no máximo 0,3% THC, a substância que causa efeitos psicoativo. O caule e suas fibras são usadas na produção de papel, tecidos, cordas, entre outros. Nos EUA e no Canadá, o óleo de cânhamo é considerado um suplemento alimentar

Maconha
Tem baixa estatura, mais encorpada e com muitas flores —a parte da planta que apresenta níveis bastante elevados de THC. O caule e as fibras não são utilizados. Para maximizar os níveis de THC, ela é comumente cultivada em um ambiente fechado para que as condições como luz, temperatura e umidade possam ser controladas de perto

CBD

Crises epiléticas/convulsões
Autismo
Inflamações
Efeitos neuroprotetores
THC

Dor crônica
Espasticidade muscular
Náusea induzida por quimioterapia
Inflamações
* O CFM (Conselho Federal de Medicina) recomenda a prescrição apenas em casos de epilepsia grave, refratária a tratamentos convencionais. Fontes: Campanha Repense, associações de pacientes, estudos publicados

Categorias
Ciência e Saúde

Argentina agiliza produção estatal de maconha para fins medicinais

Jujuy, uma província que faz fronteira com a Bolívia, de pouco mais de 700.000 habitantes, será a primeira da Argentina a cultivar sem restrições legais maconha para uso medicinal. O Governo local conseguiu a autorização nacional para importar sementes e iniciar testes piloto em uma fazenda de propriedade pública, passo anterior à elaboração e distribuição do óleo da cannabis. Para isso criou a empresa pública Cannabis Avatãra, a primeira de seu tipo no país. Outra empresa, mas privada, a norte-americana Green Leaf International, subsidiária da Player Networks, colocará a experiência e 100% do dinheiro necessário para financiar o projeto. As informações são do El País.

Argentina embarca na produção estatal de maconha para uso medicinal e associação vai à Justiça por direito de produzir maconha para tratar pacientes com câncer e microcefalia
Argentina embarca na produção estatal de maconha para uso medicinal Fabricante do Marlboro entra no mercado da maconha

O Congresso argentino aprovou em março de 2017 uma lei que autoriza o uso medicinal da maconha. Limitou as permissões ao tratamento da epilepsia refratária e como, ao mesmo tempo, manteve a proibição do cultivo próprio, habilitou sua importação até o Estado reunir condições de produzi-lo. Como o Estado não pareceu muito interessado em avançar na produção nacional do óleo, os pacientes ainda devem pagar 400 dólares (1.490 reais) por uma garrafa de 100 mililitros de óleo, suficientes, no melhor dos casos, para um mês de tratamento. O valor supera em quase 90 dólares (330 reais) o salário mínimo de um argentino e força os pacientes a cultivar por conta própria, correndo o risco de ser condenados a até 15 anos de prisão, e recorrer ao mercado clandestino. Lá, o preço baixa para até 40 dólares (150 reais), mas por um medicamente sem controle algum e eficiência imprevisível.

O Governo de Jujuy prometeu que com a Cannabis Avatãra cumprirá o capítulo da lei que habilita a produção nacional de óleo de cannabis. “A ideia é que o Estado seja um fornecedor seguro”, diz Gastón Morales, presidente da empresa pública e filho do governador da província, o governista Gerardo Morales. A previsão é produzir 300.000 litros de óleo em cinco anos, suficientes para abastecer o mercado local e exportar os excedentes.

“Qualquer avanço é bom, porque hoje todas as mães vão ao mercado clandestino ou precisam cultivar”, diz María Elena Vildoza, da Cannabis Medicinal Jujuy. María Elena é a mãe de Gael, um garoto de quatro anos que sofre de epilepsia refratária. “Quando não pudemos comprar maconha por seu preço, deixamos de dar a ele a dose durante um tempo. Gael então voltou a convulsionar, começou a se isolar e parou de se alimentar. Com o óleo voltou novamente à vida”, diz.

O projeto de Jujuy teve todo o apoio do governo de Mauricio Macri, fundamental para a aprovação das autoridades de saúde e permissões fiscais. Nessa semana, o ministério de Segurança deu o sinal verde ao uso de até 15 hectares da fazenda El Pongo, de propriedade pública, onde serão plantadas as primeiras sementes antes da experiência em grande escala. “Em duas ou três semanas chegarão as primeiras sementes e em setembro já poderemos passar da etapa piloto à industrial”, diz Morales. Depois se iniciarão a produção do óleo e os trâmites na Anmat, o órgão que deve aprovar sua venda como medicamento.

As mães da Cannabis Medicinal Jujuy estão a par do projeto desde o começo. Receberam a promessa de que receberão o óleo de graça. “Por enquanto são projetos, será preciso ver o que ocorrerá factualmente”, diz Vildoza. “Sabemos que será cultivada, mas não sabemos quais sementes irão trazer, quantas foram autorizadas. As mães que cultivam sabem qual planta seus filhos precisam, eu quero o óleo para meu filho, é a única coisa que me interessa”, afirma.

María Laura Alasi é mãe de Josefina, uma garotinha de seis anos que na pior etapa da doença chegou a ter 600 espasmos por dia. “Ela tomava seis anticonvulsivos por dia e agora só toma um e o óleo. Seus espasmos se reduziram a 20 por semana”, diz. Seu caso é conhecido porque Alasi foi a primeira argentina a conseguir a autorização para importar o óleo. Hoje lamenta que o Estado nacional não tenha se encarregado da produção nacional do medicamento e não permita o cultivo próprio. Mora em Buenos Aires, mas acompanha o projeto em Jujuy. “Por ser um projeto de capitais privados será um negócio e acabará funcionando, mas o risco é que o óleo não chegue às pessoas de baixa renda”, diz. Morales afirma que os benefícios serão enormes. “É uma questão de saúde pública”, acrescenta, “porque a força terapêutica da planta de cannabis está provada”.

Categorias
Ciência e Saúde

Tailândia aprova uso medicinal de maconha e pesquisas relacionadas

A Tailândia aprovou a maconha para uso medicinal e para pesquisa no natal, terça-feira (25), a primeira legalização da droga em uma região com algumas das leis mais rígidas do mundo em relação a entorpecentes. As informações são da agência de notícias Reuters.

O parlamento nomeado pela junta na Tailândia, país que até a década de 1930 tinha tradição de usar maconha para aliviar a dor e a fadiga, votou a emenda no Ato Narcótico de 1979 em uma sessão extra que fez parte de uma corrida para aprovar leis antes do feriado de Ano Novo.

“Este é um presente de Ano Novo da Assembleia Legislativa Nacional para o governo e o povo tailandês”, disse Somchai Sawangkarn, presidente do comitê de redação, na sessão parlamentar televisionada.

Enquanto países de outros continentes, como a Colômbia e o Canadá, legalizaram a maconha para uso médico ou recreativo, a droga continua sendo ilegal e tabu em grande parte do sudeste asiático, que tem algumas das mais severas punições do mundo por violações da legislação antidrogas.

Os traficantes de maconha podem estar sujeitos à pena de morte em Cingapura, Indonésia e Malásia, por exemplo.

Mas na Tailândia, a principal controvérsia com a legalização envolveu pedidos de patentes de empresas estrangeiras que lhes permitissem dominar o mercado, dificultando o acesso de pacientes tailandeses a medicamentos e de pesquisadores tailandeses a extratos de maconha.

“Vamos exigir que o governo revogue todos esses pedidos antes que a lei entre em vigor”, disse Panthep Puapongpan, reitor do Instituto Rangsit de Medicina Integrativa e Anti-Envelhecimento.

Alguns defensores tailandeses esperam que a aprovação abra caminho para a legalização com fins recreativos.

“Este é o primeiro pequeno passo”, disse Chokwan Chopaka, ativista do Highland Network, um grupo de defesa da legalização da cânabis na Tailândia.

Categorias
Ciência e Saúde

Fornecimento gratuito da maconha medicinal é aprovado em Goiás

Um projeto de lei que libera a distribuição gratuita dos medicamentos que contenham em sua fórmula a substância canabidiol (CBD), composto da maconha , foi aprovado em segunda votação na Assembleia Legislativa do estado de Goiás (Alego). A substância canabidiol poderá ser distribuída nas Unidades de Saúde Públicas estaduais e privadas, conveniadas ao Sistema Único de Saúde (SUS). Escrito por Stéfany Fonseca, do portal Dia Online.

O autor do projeto é o deputado estadual Diego Sorgatto (PSDB). “Para a segurança da população, a Anvisa adotou critérios para a regulamentação do Canabidiol no País. Os medicamentos liberados até então partem da constatação de que a eficácia dos medicamentos se mostrou maior do que outros convencionais já utilizados”, destacou Diego.

Ainda de acordo com Sorgatto, o uso compassivo do canabidiol, um dos 80 derivados canabinóides da cannabis sativa, foi autorizado pelo Conselho Federal de Medicina, por meio da Resolução 2.113/14, para crianças portadoras de epilepsia. Após uma análise científica, foram avaliados todos os fatores relacionados à segurança e a eficácia da substância.

No Distrito Federal, a Lei 5.625, de 14 de março 2016, determina a distribuição de medicamentos que contenham em sua fórmula o canabidiol para pacientes portadores de epilepsia.

Substância da maconha é utilizada em vários tratamentos médicos

O projeto prevê ainda que, os pacientes com epilepsia, esquizofrenia, esclerose múltipla, autismo e outras doenças que afetem o sistema nervoso, independentemente de idade ou sexo, devem ser comtemplados. Para o uso do medicamento o paciente deve ter prescrição médica, e na receita deve conter o tempo de tratamento, data, assinatura e número do registro do profissional prescrito no Conselho Regional de Medicina. O tratamento requer ainda laudo médico, contendo a descrição do caso.

O canabidiol é um composto químico encontrado na planta Cannabis sativa, conhecida popularmente como maconha, que, de acordo com estudos científicos, pode ser utilizado no tratamento de doenças como câncer, crises epilépticas e convulsivas, esclerose múltipla e doenças relacionadas ao sistema nervoso central.

Categorias
Notícias sobre maconha

SBT: Em 3 anos ANVISA liberou o dobro de autorizações para importação de CBD, mas ainda é pouco

Pesquisadores trabalham para que a Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, aprove o registro aqui no Brasil em 2019. Enquanto isso, o remédio só é comercializado na Europa e, principalmente, nos Estados Unidos. O paciente brasileiro precisa, portanto, importar o medicamento. Para isso, um médico deve prescrever a medicação e assinar um termo de responsabilidade. Depois, o paciente entra no site da Anvisa e pede a autorização. A análise leva em média dez dias. Mesmo com a brurocracia e o preço elevado, o número de autorizações quase dobrou neste ano em comparação com 2015, quando a compra passou a ser autorizada.

Categorias
Notícias sobre maconha

15 de Novembro também é dia da proclamação da Cannabis Medicinal

No dia 15 de novembro o mundo celebra o dia mundial da cannabis medicinal. No Brasil o dia nacional é dia 27 de novembro. Mas a data mundial foi definida muito antes, vou te contar a história.

Em 1994 ocorreram vários acontecimentos que desencadearam a proclamação do dia mundial da cannabis medicinal. Os acontecimentos são os seguintes:

11 de Setembro – A Organização Nacional para a Reforma das Leis sobre Maconha (NORML sigla em inglés) anunciou seu novo grupo de responsáveis. Essa mudança de diretores ocorreu decorrente de uma briga interna dentro da NORML que tentava enfrentar os ativistas pró cannabis. Por sorte naquele momento a nova diretoria foi formada por vários cientistas, incluíndo um ganhador de um Nobel.

17 de Setembro –  A NORML de Massachusetts celebrou a quinta manifestação anual a favor da legalização da maconha no Boston Common. Foi então que o editorial do Boston Globe publicou “A legalização da maconha para uso medicinal está muito atrasada faz tempo…”

19 de Setembro – Os democratas liberais passaram então a ser o primeiro partido político importante na Gran Bretaña ao apoiar oficialmente a legalização do consumo de cannabis.

30 de Setembro – O governador de California, Pete Wilson, vetou a legislação que iria permitir o uso medicinal da cannabis no seu estado. Wilson afirmou que não poderia assinar um projeto de lei pois a lei federal ainda proíbe o uso medicinal da erva.

2 de Outubro – Teve uma reunião em Place Berri, Montreal. O evento foi patrocinado pelo grupo Anti-Proibicionista de Quebec onde teve mais de 500 pessoas. No entanto sete pessoas foram presas pela polícia e acusadas de posse de cannabis.

5 de Outubro – La Sección 462.2 del Código Penal Canadiense fue anulada por la jueza Ellen MacDonald por ser inconstitucional. La sección 462.2 era la ley de censura viciosa que prohibía el pro-cannabis y cualquier otra literatura o parafernalia. El caso fue presentado por Umberto Iorfida de Canadá NORML.

5 de Outubro – A seção 462.2 do Código Penal Canadense foi anulada pela juíza Ellen MacDonald por ser inconstitucional. A seção 462.2 falava sobre a censura viciosa que proibia o ativismo a favor da cannabis e qualquer outra literatura ou parafernália. O caso foi apresentado por Umberto Iorida, do Canadá NORML.

13 de outubro – Bob Randall, que sofre de glaucoma e é um editor de livros sobre maconha medicinal, foi proibido de entrar na Grã-Bretanha com remédios de maconha. Randall é uma das oito pessoas nos EUA. UU que ela está legalmente autorizada a receber cannabis por prescrição, e ela estaria cega em poucos dias se deixassse de usar regularmente. Ele foi convidado a reunir-se com acadêmicos e políticos em Londres para discutir uma campanha para legalizar o uso medicinal da cannabis.

13 de outubro – Richard Branson, dono da Virgin Records, foi citado dizendo que: sua companhia aérea atual Virgin, varejo e lazer poderia vir uma empresa de cannabis se ela fosse legalizada e aprovada pelo British Medical Association.

19 de outubro – Um painel de juízes na cidade portuária de Luebeck determinou que a posse da provisão de quatro quilos de haxixe seria tratada como uma contravenção, em vez de um crime. Esta medida foi além de uma decisão emitida pelo Supremo Tribunal Alemão em abril, que descriminalizou pequenas quantidades de drogas pessoais, mas a determinação exata a ser definida pelas autoridades locais.

20 de outubro – os australianos realizaram protestos em todo o país em favor da cannabis em sete grandes cidades. Pelo menos quatro pessoas são presas na manifestação de Brisbane, realizada fora do parlamento de Queensland. Os protestos liderados pelo HEMP Austrália e pela NORML Australia. Um porta-voz explicou que o recente Relatório do Grupo Nacional de Trabalho sobre Cannabis descobriu que as atuais leis de proibição eleitoral fracassaram e que 75% dos australianos apóiam a descriminalização do porte pessoal e cultivo de cannabis.

25 de outubro – A polícia britânica anunciou que está investigando uma empresa que vende sais de maconha. A empresa, a Sunlight Systems, vende as sementes como isca para as fezes. Que se tornou um dos mais antigos do mundo.

1º de novembro – O presidente colombiano, Ernesto Samper, voltou atrás na promessa de realizar um referendo nacional a posse de pequenas quantidades de drogas. Em maio, a Corte Constitucional da Colômbia determinou que a posse de menos de 28 gramas de maconha, haxixe, cocaína não poderia ser proibida, argumentando que a proibição violava o direito constitucional ao livre desenvolvimento da personalidade. No entanto a venda de drogas permaneceu ilegal.

O Presidente Samper criticou a decisão e solicitou um referendo para reverter isso e mais de um milhão de assinaturas foram coletadas em petições que pediram um referendo, mas o vice-presidente Humberto de Calle afirmou que um novo referendo iria gerar muitos custos e por esse motivo não seria feita, no entanto colombianos foram às urnas quatro vezes em 1994 para uma variedade de escolhas.

7 de novembro – O presidente da Bolívia, Sánchez de Lozada, declarou em um relatório La Voz de América que ele acreditava pessoalmente que as drogas seriam legalizadas porque a proibição de substâncias para as quais há alta demanda nunca funcionou. Ele passou a dizer que, como presidente da Bolívia, ele não podia se dar ao luxo de defender essa posição porque a necessidade de legalizar as drogas era tomada nos países consumidores.

15 de novembro – A Federação de Cientistas Americanos pediu ao governo dos EUA que acelere a pesquisa sobre os usos medicinais da cannabis.

15 de novembro – Então foi proclamado o “Dia da Cannabis Medicinal” e manifestações foram realizadas em várias cidades no Canadá e nos Estados Unidos, incluindo Vancouver.

Categorias
Notícias sobre maconha

Universidade da Paraíba pede autorização cultivar maconha para produção de remédio

MPF, UFPB e Lifesa firmarão convênio para cultivar maconha com fins medicinais. Próximo será a autorização da Anvisa para que a pesquisa seja desenvolvida. As informações são do G1.

O Ministério Público Federal (MPF), representantes da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e do Laboratório Industrial Farmacêutico da Paraíba (Lifesa) resolveram prosseguir com as tentativas de firmar um convênio que permitirá a fabricação de medicamento com o uso de maconha. A decisão, divulgada nesta terça-feira (13), foi tomada durante uma reunião realizada na sexta-feira (9).

A primeira ideia, segundo o procurador regional dos Direitos do Cidadão, José Godoy Bezerra de Souza, é que a maconha seja plantada no campus da UFPB, em João Pessoa, para que a erva seja utilizada pelo Lifesa. O laboratório deve produzir o medicamento com padrão farmacêutico.

As discussões sobre a produção do medicamento já acontecem há mais de um ano. O próximo passo é solicitar autorização de cultivo da planta pela UFPB, para que a pesquisa seja desenvolvida e registrada na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O MPF atesta, através de documentos médicos, que não há dúvidas sobre a eficácia do uso dos óleos da cannabis no tratamento de crises epilépticas e de outras doenças. Alegou ainda que a substância já é autorizada em países como Inglaterra, Nova Zelândia e Canadá e em mais de 20 estados americanos.

Categorias
Ciência e Saúde Destaques Especiais Notícias sobre maconha Tecnologia Maconha

REAJA: Startup brasileira lança produto capaz de identificar Canabidiol

Foto page facebook Reaja

Tivemos a satisfação em poder conversar um pouco com um dos idealizadores de um produto que vem tendo destaque no mercado Cannabista brasileiro, estamos falando de um produto que identifica na planta a presença da substância Canabidiol.

Segundo Fabiano, a ideia surgiu no ano de 2015 quando seu Sócio, James Kava, se encontrou com Bruno Logan, no Congresso Internacional sobre Drogas em São João Del Rei no ano de 2015. Nessa oportunidade conheceram mais sobre a importância e carência de reagentes para identificação de substâncias.

Ainda segundo Fabiano, o REAJA CBD veio para cobrir um mercado ainda inexistente no país e principalmente auxiliar cultivadores e pacientes que fazem o uso da maconha medicinal a identificarem a presença da substância na planta.

Por exemplo, dentre as muitas variedades de Cannabis de uso recreativo,  apenas poucas possuem teores de CBD acima de 2%. Plantas com alto teor de CBD tornam-se raras, sendo necessária uma identificação para diferenciar as plantas.  (Não ha relação entre sativa ou indica com a concentração de CBD ou THC), para este caso, o REAJA CBD mostrará para o usuário por meio de uma cartela de reação em cor (amarelo e roxo), a presença do Canabidiol. Esse teste não tem nenhuma relação com a concentração de THC

Foto Fanpage Reaja

O frasco que protege os produtos é resistente a quedas e garante a segurança do usuario A tampa foi pensada para que o teste fosse feito nela própria e podendo ser lavada para ser reutilizada em novos testes. Acompanhando, vêm um par de luvas, manual de instrução e cartela com demonstrativo de cores para análise se há ou não Canabidiol.

Infelizmente, segundo Fabiano, o REAJA CBD ainda não traz em teste a possibilidade de mostrar em porcentagem  a quantidade de Canabidiol presente na planta, porém, diz que este será o futuro do produto em versão final e que a equipe de desenvolvedores está trabalhando para isto e no desenvolvimento de um teste para thc.

O REAJA CBD é produzido na cidade de Curitiba-PR, custa 35 reais e pode ser encontrado na Legalize Já ou quem preferir pode adquirir diretamente do laboratório o REAJA CBD pode ser encomendado diretamente pela página do Facebook REAJA o preço é o mesmo.

 

Categorias
Ciência e Saúde

Reino Unido legalizou agora permite que médicos receitem maconha medicinal

Lembra do caso de um menino de 12 anos com epilepsia grave que não teve permissão de usar óleo de maconha que falamos aqui no mês passado? Rápido ou não, um mês e cinco dias depois fez com que o Reino Unido legalizasse a maconha medicinal.

O ministro do Interior, Sajid Javid, disse nesta quinta-feira que médicos especializados poderão prescrever produtos medicinais derivados da maconha a partir do outono.

No entanto o uso recreativo por enquanto continuará sendo proibido.

A decisão vem na sequência de um caso de grande repercussão de um menino de 12 anos com epilepsia grave que não teve permissão de usar óleo de maconha, o que deu ensejo a um debate nacional e a uma revisão de especialistas.

“Casos recentes envolvendo crianças doentes deixaram claro para mim que a nossa posição a respeito de produtos medicinais relacionados à maconha não era satisfatória”, disse Javid.

“Seguindo os conselhos de dois grupos de conselheiros independentes, tomei a decisão de reclassificar os produtos medicinais relacionados à maconha – o que significa que eles estarão disponíveis mediante receita médica.”

Cientistas dizem haver cada vez mais indícios de que a erva pode amenizar a epilepsia e outras doenças, como dores crônicas, esclerose múltipla e enjoo provocado por quimioterapia, o que vem aumentando o interesse por esse campo.

No mês passado a GW Pharmaceuticals, que passou 20 anos desenvolvendo remédios de maconha, recebeu a aprovação da Agência de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos para produzir o primeiro medicamento derivado da planta.

 

Categorias
Ciência e Saúde Eventos Notícias sobre maconha

Neurologista diz que medicamento de maconha pode substituir o Rivotril

A recente matéria da VEJA, escrita por Daniela Pessoa, fala sobre o próximo evento que deverá acontecer no Rio nos próximos dias 18 e 19. Trata-se do primeiro seminário internacional sobre a maconha medicinal, no Museu do Amanhã. Um dos destaques do evento é o neurologista que receita maconha e acompanha cerca de 300 pacientes que fazem uso de maconha medicinal,  Eduardo Faveret, do Instituto Estadual do Cérebro (IEC).

“A literatura médica mostra que se trata de uma terapia segura e eficaz”, esclarece. “É muito triste que ainda haja tanto preconceito e desconhecimento em torno do tema. Poucos médicos no Rio prescrevem o tratamento, mas os venenos da indústria farmacêutica continuam sendo vendidos”, lamenta o médico, que já experimentou, ele mesmo, o óleo de canabidiol contra o stress e a ansiedade e vem batalhando pela regulamentação da venda do remédio. “Poderia substituir o Rivotril um dia”, afirma.