Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Os efeitos medicinais da maconha já não podem ser ignorados diante de tantos estudos realizados que comprovam os benefícios da planta. E seguindo esse intento, a vereadora Soninha Francine realizou no parlamento paulistano, com a presença de especialistas, um fórum para apresentar o sucesso da maconha medicinal no tratamento de diversas doenças e debater a necessidade da regulamentação do cultivo de cannabis. No entanto ninguém discutiu a produção de óleo no Brasil.
As informações são do Correio do Brasil.

A Câmara de Vereadores de São Paulo tem promovido uma série de debates sobre a descriminalização da maconha; principalmente, em seu aspecto medicinal. Um fórum realizado no parlamento paulistano apresentou o sucesso em tratamento de diversas doenças com o uso medicinal da maconha. O objetivo do debate, promovido pelo mandato da vereadora Soninha Francine (PPS); foi discutir a necessidade de regulamentação do cultivo da cannabis. E da produção de extratos da planta; bem como de uma política de redução de danos para ser incorporada à legislação brasileira.

Leia também:  CannaCamp: Colorado inaugura acampamento da maconha

Os bons resultados do uso do óleo da maconha para tratar sintomas e consequências de doenças cardiovasculares; desordens mentais, neurológicas – entre elas o autismo – e inflamatórias; além de doenças metabólicas e câncer foram abordados pela médica neuro-oncológica Paula Dall’Stella. O neurocirurgião Pedro Antonio Piero Neto; a psiquiatra Eliane Guerra Nunes e a farmacêutica Renata Monteiro Dantas Ferreira também participaram da Mesa.

Canabidiol

Um dos principais nomes em todo o mundo na pesquisa com a cannabis, o professor emérito da Escola Paulista de Medicina, Elisaldo Carlini, defendeu a regulamentação do plantio e produção do óleo no país. “O ministério da Saúde holandês comprou uma fazenda e cultiva a planta com rigor científico e segurança, para distribuir às farmácias. E no Brasil o avanço é a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) retirar o canabidiol do rol de substâncias proibidas e o reclassificar como substância de uso controlado, regulamentando a importação do óleo. Não por acaso está para ser vendido no país o Sativex”, apontou Carlini.

O custo do medicamento, estimado entre R$ 1.500 e R$ 3.000 o vidrinho, esteve no centro da crítica dos especialistas. “Não deve mesmo ter sido por acaso que a Anvisa mudou a classificação do canabidiol, em 2015”, disse a farmacêutica Renata Monteiro Dantas Ferreira.

Leia também:  Pela liberdade de Ras Geraldo e religiosa, 'Caminhada para trás' abre Quaresma Cannábica

Justiça

A psiquiatra Eliane Guerra Nunes defendeu a planta como prioritária no tratamento do autismo, bem como seu uso em relação à epilepsia. “Estudos mostram que outras substâncias presentes na planta, e não apenas o canabidiol, são benéficas no tratamento”, disse. Para ela, a cannabis deve ser defendida também pelo avanço do canabidiol sintético, que deverá chegar ao Brasil em breve.

Apesar de a ciência comprovar que determinados compostos da planta são eficazes no tratamento de diversas doenças, pacientes e usuários ainda são tratados como criminosos no Brasil e têm de recorrer à Justiça para obter licença para cultivar a planta, o que torna a obtenção do extrato mais em conta do que a importação.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here