PARIS – A França arregalou os olhos. Como é um dos países mais repressivos do mundo em matéria de drogas, desde segunda-feira ela respira apavorada, indignada ou com prazer, as espirais de fumaça da maconha que vêm do Colorado como estranhos votos de feliz ano-novo.

O fato é ainda mais aclamado porque ocorreu nos EUA, terra que todo mundo critica, mas que para os jovens é objeto de admiração e fascinação. Mesmo que a repressão seja implacável, a França é campeã europeia no consumo de maconha entre os jovens: em 2011, 21% dos adolescentes afirmaram fumar um cigarro de maconha pelo menos uma vez por mês. Paris poderá se curvar ao exemplo vindo do Colorado? Nada sugere isso.

No primeiro dia do ano, o Palácio do Eliseu voltou a afirmar que não é “favorável à legalização”. Claro que alguns ministros lançaram balões de ensaio, mas foram rapidamente desencorajados. Por outro lado, a opinião pública francesa mostra-se hostil à liberalização. No fim de 2013, 55% dos franceses manifestaram-se contra a liberação da droga, principalmente os idosos: 73% das pessoas com mais de 65 anos colocaram-se contra a medida, ao passo que, entre os jovens, a porcentagem foi de 44%.

No decorrer dos anos, contudo, a resistência do público perdeu força. Hoje, 44% dos franceses acham que a proibição da maconha é um atentado à liberdade individual, enquanto há três anos somente 30% sustentavam essa opinião.

A audácia do Colorado deve liberar o discurso. O professor Pierre Kopp explicou, com simpatia, a resolução do Estado americano. Seus argumentos são exclusivamente econômicos. Segundo ele, há 25 anos “uma guerra total e ruinosa tem sido conduzida nos EUA e no mundo e ela fracassou completamente. Neste caso, é o momento de começarmos a questionar.”

O especialista acrescentou que a legalização deverá provocar uma queda na criminalidade porque “será atacada a principal motivação que nutre as redes criminosas”. “Não é preciso dizer que a legalização permitirá redirecionar os orçamentos para tarefas mais ajustadas às necessidades”, disse. Sua conclusão é: “Estamos num momento crucial. Será difícil retornar a uma política de criminalização do consumo de maconha.”

Em um ponto o governo Hollande deu um pequeno passo. Ele se dispôs a autorizar a entrada no mercado francês do Sativex, um pulverizador bucal à base de maconha indicado para o tratamento de sintomas de esclerose múltipla. É uma medida bastante limitada, que diz respeito apenas a mil pacientes, mas, no passado, todos os países que abriram uma brecha em favor de determinados medicamentos à base de maconha, em seguida, afrouxaram suas regras no tocante a outros usos da erva.

No momento, o Uruguai está pronto para seguir os passos do Colorado. Na Holanda, desde 1996, a posse e a venda da maconha são toleradas e a erva pode ser consumida nos cafés. Portugal, há dois anos, não considera mais, para fins de detenção, a posse de pequenas quantidades de maconha. A Espanha também tolera o seu consumo, salvo em locais públicos. E o Canadá, país bastante repressivo até agora, logo mais se contentará em estabelecer uma multa para os consumidores, mas sem nenhuma ação judicial. Enfim, em quase todos os lugares observamos debates a respeito. Até no Marrocos, um dos grandes países produtores de maconha.

*Testo por Gilles Lapouge, correspondente em Paris.
Via Estadão

Tradução Terezinha Martino