A jovem e visionária americana Danielle Lei, de 13 anos, vendeu 117 caixas de biscoitos e doces em apenas duas horas, em frente ao estabelecimento. Biscoitos, maconha e caridade, o que mais você pode querer?

Uma escoteira americana descobriu uma forma de vender muitas caixas de biscoito e arrecadar uma boa verba para instituições de caridade. A garota de 13 anos montou uma barraquinha de doces em frente a uma unidade da clínica The Green Cross, que fornece maconha para uso em tratamentos médicos, em São Francisco, na Califórnia.

A pequena empreendedora vendeu 117 caixas de biscoitos, chocolates e outras guloseimas em apenas duas horas. Saciando a larica e mostrando que a regulamentação do mercado da erva, também beneficia financeiramente não usuários! O dinheiro arrecadado com as vendas irá para instituições de caridade, segundo o jornal britânico “Daily Mail”.

A mãe de Danielle, Carol, disse que a filha vendeu dezenas de caixas a mais ficando em frente à clínica do que em qualquer outro local. Até o estoque do doce de leite acabou, completou a mãe da pequena empreendedora.

Parte da venda dos biscoitos é destinado à pacientes com Alzheimer. Em sua página no Facebook o The Green Cross incentiva os compradores a ajudarem as escoteiras “Biscoitos, maconha e caridade, o que mais você pode querer?”. Esta semana Danielle continuou indo para porta da The Green Cross e tem a supervisão da mãe, Carol Lei.

Garota-Biscoitos-Dispensário

A mãe de Danielli afirmou a um jornal local que apoia a iniciativa da filha. “Elas aprendem que eles não estão drogados”, disse Lei. “Muitos têm sérias necessidades, e são apenas um pouco diferente.”

Tanto a garotinha quanto sua irmã mais velha, Nikki, fizeram sucesso com as vendas nas proximidades do estabelecimento, e seus pais vêem na atividade uma forma das meninas aprenderem a diferença entre o uso da droga como remédio e o uso recreativo, segundo o site “Mashable

“Eu não estou condenando e também não estou dizendo para as meninas irem fumar maconha”, disse a mãe de Danielle, Carol.

A The Green Cross, que fornece maconha para uso medicinal na cidade de São Francisco, deu apoio à iniciativa comprando diversas caixas de biscoitos. A ideia da garota também foi aprovada pela Associação de Escoteiras do Norte da Califórnia, que afirmou ser uma responsabilidade dos pais dizer onde suas filhas podem vender biscoitos.

Nem todas as organizações de escoteiros, porém, são tão “mentes abertas” para novas ideias quanto a da Califórnia, apesar do uso recreativo da erva ser legal nos estados de Washington e Colorado, por exemplo.

“Nós não autorizamos que nossas meninas vendam biscoitos em frente a lojas de maconha ou de bebidas”, afirmou a Associação de Escoteiras do Colorado pelo Twitter.

A história de Danielle foi descoberta pelo site de tecnologia Mashable. Com os 117 pacotes vendidos, ela conseguiu um índice 50% acima da média. “Não é segredo que a maconha é estimulante do apetite”, disse Holi Bert, um dos funcionários da Green Cross ao Mashable. Danielle pediu autorização da loja para montar a barraca: “Tudo é uma questão de estar no local certo para vender o seu produto”, acrescentou Bert.

A The Green Cross, por sua vez, convidou Danielle e sua mãe a voltarem ao local e continuarem com as vendas. O negócio funcionará neste sábado, no mesmo local.

 

  • cleber

    Sera que fumar maconha agora e bonito. Qualque dia vao prender quem discriminar usuarios