Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Confira o alerta contra a intolerância política, que o sensacional Advogado da Marcha da Maconha, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ e candidato a deputado estadual pelo PSOL-RJ, Dr. André Barros*, faz a todos os maconheiros e antiproibicionistas.

Vivemos no tempo das intolerâncias. A mais difundida é a religiosa, onde determinadas seitas não aceitam outro Deus que não seja o de sua própria religião, pois se consideram os “proprietários” de Deus. A mídia do mercado fez a cabeça de muitas pessoas contra a política, colocando-a apenas como uma atividade de corruptos, onde todos que dela participam querem se dar bem. Apoiaram a ditadura, acabaram com a democracia, transformaram o Brasil num quartel e, agora, criticam a política como se fossem vestais da pureza e da honestidade, são uns verdadeiros caras-de-pau. O pior é que muitos embarcam nessa ondinha.

De todas as intolerâncias, a contra a política é a pior, pois é totalmente impotente, ainda mais no período eleitoral. A política é pensar as mudanças dentro das cidades, no estado e no país. É concreta e material, diferente da religião e filosofia, onde o pensamento pode alcançar até antes da vida e depois da morte.

Leia também:  MACONHA NA CUECA

Cair nessa intolerância, exatamente no momento eleitoral, onde a potência do pensamento político pulsa em nossas vidas políticas é uma atitude no mínimo estranha, para não dizer suspeita. Candidatos, como eu, que vão para rua botar a cara, pois temos convicção e orgulho de nossas posições, é que são os alvos dessa intolerância. Somos xingados e ofendidos exatamente por quem não tem coragem de apontar para os verdadeiros farsantes políticos.

O voto e o direito à organização partidária foram conquistados nas ruas. Todos que lutaram contra a ditadura do golpe civil/militar de 1964 esperavam que continuássemos suas conquistas. Se com as lutas ganharam o direito de participar do processo político, esperavam que o voto fosse consciente. Jovens morreram torturados lutando contra a ditadura. Queriam democracia no Brasil, com partidos e eleições livres e isso tudo foi conquistado nas lutas das ruas.

O ódio à política é um suicídio coletivo, pois é exatamente a política que pode mudar a vida. Obviamente que essa transformação não vai ocorrer apenas no parlamento mas, que a eleição é um importante instrumento para gerar crises institucionais, isto é. No Brasil, os intolerantes religiosos e punitivos dominam os canais, programas sensacionalistas nas tarde da TV e se espraiam por todos os partidos e parlamentos do país. Devemos aproveitar o momento da multidão que tomou as ruas do país em 2013 para construir boas bancadas anti-proibicionistas. Em regra, os modismos são criados e interessam ao mercado. Não podemos cair, logo agora, nessa caretice impotente, nessa perigosa mistura da moda com a intolerância política.

Leia também:  Maconha e Mercado

*André Barros é candidato a deputado estadual, nº 50420, advogado da Marcha da Maconha, mestre em ciências penais, membro licenciado da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ e do Instituto dos Advogados Brasileiros

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here