Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A Corte Constitucional da Itália anulou nesta quarta-feira uma lei de 2006 que impunha duras penas à posse, venda e cultivo de maconha, equiparando-a à cocaína e à heroína.

A lei, que fora aprovada durante o governo conservador do ex-premiê Silvio Berlusconi, foi considerada “ilegítima” e revogada pela Justiça italiana.

A ONG Antigone alega que a lei provocou a superlotação de presídios do país – com 40% dos detentos cumprindo sentenças por crimes relacionados às drogas.

Em decorrência da anulação da lei, é possível que até 10 mil pessoas tenham de ser libertadas.

Leia também:  Daniel Alves foi ao 'Bola de Ouro' da Fifa usando terno com folhas de maconha

Os presídios italianos são considerados os mais superlotados da União Europeia.
Em janeiro do ano passado, a Corte Europeia de Direitos Humanos determinou que a superlotação nos presídios italianos violava os direitos básicos dos detentos. Autoridades italianas foram multadas em 100 mil euros (R$ 326 mil) e ordenadas a resolver o problema no prazo de um ano.

Penas

A lei antidrogas de 2006 classificava de maneira similar a maconha e o haxixe a drogas mais pesadas, como heroína.

As penas para cultivo, venda e tráfico haviam sido elevadas de 2 a 6 anos para 6 a 20 anos.

Com a decisão da Corte, volta a vigorar no país a lei antidrogas prévia.
Nenhuma das duas legislações considerada o consumo da cannabis um crime, mas ambas criminalizam sua posse.

Leia também:  Ricardo Darín apoia regulamentação da maconha no Uruguai

“A decisão (judicial) põe fim a uma das leis mais absurdas que o Parlamento aprovou nos últimos anos”, disse a parlamentar Alessia Morani, do Partido Democrático (PD), de centro esquerda.

Já o senador Maurizio Gasparri (da Força Itália, de Berlusconi) disse à agência Ansa que a determinação da Corte é “um grande erro que promove o tráfico e o consumo”.

Via BBC

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here