Jards Macalé emociona a plateia do Circo Voador ao cantar antigos sucessos, como ‘Vapor barato’, e fala sobre a legalização da maconha. As informações são do caderno Gente Boa do O Globo.

Jards Macalé escolheu para o show de lançamento do DVD “Macalé” um figurino que era, literalmente, uma homenagem ao seu maior sucesso: “Vapor barato”, música lançada por Gal Costa em 1971, no LP “Fa-tal”. O show foi sexta-feira, no Circo, e teve participação entusiasmada de Otto.

“Estou com meu casaco de general. Só troquei as calças vermelhas pelo tênis vermelho. E os anéis se foram, mas ficaram os dedos”, brincou Macalé.

10486001_798064180216472_2648165506901892706_n
Jards Macalé no Circo Voador / Foto: Alexandre Moreira

Feita em parceria com Waly Salomão, a canção foi um dos pontos altos da noite, executada só no violão e cantada a plenos pulmões pelo público, emocionado. Ainda nos bastidores, Macalé contou como nasceu o hit.

“Waly foi preso em São Paulo por causa de uma bagana boba. Mas o levaram para o Carandiru. Quando saiu, ficou com paranoia de cidade grande e foi morar em Niterói. Ele pegava a barca e vinha me visitar em Botafogo. Numa dessas vezes, trouxe o poema”, contou.

“Fiz a música em meia hora. O vapor é do barco, e o barato… é o que dá na cabeça”, diz ele, que é a favor da legalização da maconha. “Ela pode ser medicinal e positiva. Não é o diabo”.

A participação de Otto, mais Otto do que nunca, também foi superaplaudida. Rebolou, jogou água na própria cabeça, e no final agradeceu a Macalé: “Cantar contigo, no teu show, é bom demais. Muito obrigado”, disse, ainda no palco.