O republicano Jeb Bush, potencial candidato à presidência dos EUA, admitiu que fumou maconha nos primeiros anos do ensino médio. No entanto, ele fez campanha no ano passado para manter a proibição do uso medicinal e recreativo da erva na Flórida. As informações são da Folha de S.Paulo.

O ex-governador da Flórida Jeb Bush, um dos principais nomes para ser o candidato republicano à Presidência dos EUA, fumava maconha regularmente nos primeiros anos na Phillips Academy, internato de ensino médio em Andover, em Massachusetts.

A informação foi dita por colegas de escola e está em um perfil sobre a adolescência de Jeb publicado neste sábado (31) pelo jornal “Boston Globe”. O ex-governador é filho do ex-presidente George Bush e irmão do ex-mandatário George W. Bush.

Segundo os colegas, nos primeiros anos no internato Jeb Bush fazia parte da equipe de tênis da escola, assim como ia com frequência às festas no campus. Neste período, passou a consumir a erva, segundo eles, com regularidade.

“A primeira vez que eu fiquei realmente chapado foi no quarto do Jeb. Ele tinha um som portátil com caixas removíveis”, afirmou Peter Tibbets, que diz ter experimentado maconha pela primeira vez com o hoje pré-candidato presidencial.

Tibbets afirma ainda que, semanas após conhecer Jeb Bush, fumou pela primeira vez haxixe no quarto do colega na escola. O ex-governador reconheceu no passado ter usado drogas, mas chamou a decisão de “estúpida” e “errada”.

“Eu consumi bebidas alcoólicas e fumei maconha quando eu estava em Andover. Era bastante comum”, disse Jeb Bush, que tentou justificar o uso porque sua mudança para o internato foi complicada.

“Foi uma época muito difícil para mim. Tinha só 14 anos quando deixei Houston para ir a Andover e foi uma época muito cínica. A escola por várias razões no início da década de 1970 era cínica, não era como é hoje. Era um lugar bastante darwiniano”.

No entanto, ele fez campanha no ano passado para manter a proibição do uso medicinal e recreativo da erva na Flórida, que foi rejeitada no Estado em referendo em novembro.

APOLÍTICO

Apesar de ser filho de George Bush, que era deputado e defendia a guerra no Vietnã, Jeb evitava atuar politicamente. Ele recusou participar de reuniões sobre o conflito e outros temas da política americana, apesar dos convites.

“Ele estava apenas em um mundo diferente. Enquanto outros estudantes estavam constantemente discutindo sobre política e particularmente sobre Vietnã, ele apenas não estava interessado, não participava, não se importava”.

Os colegas afirmam que ele só mudou após viajar para um trabalho voluntário no interior do México no quarto ano de escola. Foi lá onde conheceu Columba, sua atual mulher, com quem está casado desde 1974.