Psiquiatras que tratam de dependência e cobram milhares de reais pelo tratamento, estão temerosos que, com a regulação da maconha, eles percam clientela. Com a regulação, proibição de propaganda, locais de consumo protegidos, controle de qualidade sobre a erva, o uso se torna responsável, com pacientes deixando de sofrer psicoses e paranoia, pois o uso da maconha deixa de ser um ilícito penal. Isso significa menos pacientes doentes e menos negócios para estes psiquiatras.

A rádio Jovem Pan conta há 11 anos com a “Campanha Pela Vida Contra as Drogas” e na recente movimentações a favor da regulação da maconha no Brasil, o lobby proibicionista começa a distorcer a verdade. Com liderança -chega a ser irônico, mas observem os detalhes, de um Psiquiatra e Diretor da clínica Greenwood, o senhor Pablo Roig promete encaminhar ao senador Cristovam Buarque e ao deputado Eurico Junior um protesto assinado por pais e profissionais, através de uma página no Facebook denominada de movimento nacional PAIS CONTRA AS DROGAS.

Aos pais que possam interessar, vocês são os que deveriam principalmente apoiar uma campanha A FAVOR DA REGULAÇÃO DA MACONHA NO BRASIL, afinal nossas crianças crescem numa sociedade onde drogas ilegais têm acesso mais fácil que o álcool e tabaco. Ao contrário do balconista do bar ou da tabacaria, nunca vimos traficante que pedisse para ver identidade do consumidor.

Entre tantos motivos viemos através deste alerta convocar a todos a informarem a Jovem Pan e ao movimento Pais contra as drogas, quem é o senhor Pablo Roig e seu envolvimento proibicionista e lucrativo para sua clinica. Na mensagem, exponha principalmente os benefícios da regulação da maconha comparada a atual proporcionada pela falha guerra às drogas.

Vamos escrever para a rádio Jovem Pan:
[email protected],
[email protected],
[email protected]

À Rádio Jovem Pan,

Soube da notícia, no blog da Rádio Jovem Pan, sobre o senhor Pablo Roig, dono de uma clínica privada de SP ter escrito um texto contra a proposta de regulação da maconha no Brasil. Tenho ouvido muitas críticas sobre a atuação dele, incluindo tortura e privação de liberdade contra os pacientes internados.

A rádio Jovem Pan está associando seu nome a uma pessoa que possui estas denúncias publicadas na internet? A rádio tem conhecimento? Não considera essa associação maléfica para a imagem da rádio?

Na verdade, psiquiatras que tratam de dependência, e que cobram milhares de reais pelo tratamento, estão temerosos que, com a regulação da maconha e a diminuição dos índices de violência e de uso por adolescentes, eles percam clientela.

Com a regulação, proibição de propaganda, locais de consumo protegidos, controle de qualidade sobre a erva, o uso se torna responsável, com pacientes deixando de sofrer psicoses e paranóia, pois o uso da maconha deixa de ser um ilícito penal. Isso significa menos pacientes doentes e menos negócios para estes psiquiatras.

Pesquisando no Google agora encontrei já algumas denúncias sobre a clínica Greenwood, do Pablo Roig, por isso escrevo pedindo que fiquem atentos ao que este senhor está dizendo publicamente contra o trabalho legislativo de regulação da maconha no Brasil.

https://www.midiaindependente.org/pt/blue/2009/02/441643.shtml
//soporhoje2.blogspot.com.br/2011/08/questionamentos-sobre-famosa-clinica.html
//drogasecidadania.cfp.org.br/wp-content/uploads/2011/10/RELATORIO-onu-CT.pdf

DATA EM QUE OCORREU: 2009
LOCAL DA VIOLÊCIA: Clinica Greenwood
CIDADE/ESTADO: Itapecerica da Serra, SP
DENÚNCIA: a paciente ficou amarrada alguns dias, tomando injeções, não podia ter contato físico, as conversas eram limitadas, visitas eram raras, havia períodos de castigo onde as pessoas ficavam 1 mês sem falar com ninguém, ver tv, academia, radio, cartas, fotos, ligações, etc. Informa que a mãe tentou tirá-la mas a direção falava que teriam problemas com o Ministério da Saúde. Fala da morte de uma adolescente de 17 anos.

CONSEQUÊNCIAS: a paciente tomou um anti mofo que estava no armário e esperou começar a vomitar. Levaram-na após 2 horas já vomitando sangue para o Instituto Einstein, no qual ficou 4 dias na UTI. A paciente relata que está com úlceras, mas se sente aliviado por estar fora da Clinica Greenwood.

Percebam que em todo o artigo o Pablo Roig fala de drogas de forma genérica, não distinguindo que o projeto é apenas para a maconha.. Com isso ele pretende criar confusão entre os leitores.. E usa o tempo todo o termo “liberação”, para também desqualificar a proposta que é de regulação e controle estatal sobre algo que hoje está completamente fora de controle.

Leia o artigo completo //blogs.jovempan.uol.com.br/campanha/pablo-roig-abre-frente-contra-cristovam-buarque-e-eurico-junior/

Agradecimento especial ao Turbay autor da imagem que ilustra a matéria.

  • fabio rogerio

    Uma vergonha a postura da Jovem Pan em favor da Guerra às Drogas! Chega de mortes e enganação! Chega de Guerra às Drogas! Não se faz guerra contra substâncias mas sim contra pessoas.
    Ser contra a regulamentação da maconha é ser a favor da manutenção deste estado de guerra insano.
    O álcool, o tabaco, o sal, o açúcar, os hormônios injetados nos animais, os agrotóxicos são muito mais perigosos que a maconha. A maconha nunca matou ninguém mas sua proibição milhares. Ah, mas ela pode desencadear esquizofrenia, só que a esquizofrenia é genética e acomete apenas 01 % da população!! Qual a taxa de pessoas hipertensas e diabéticas então vamos proibir e criminalizar o sal e o açúcar!!!
    A maconha faz mal sim para o bolso de alguns setores poderosos como: Industria farmacêutica, industria das armas, industria das clinicas de recuperação encabeçada por Ronaldo Laranjeiras com seus 114 milhões para tratar drogados a qual a Jovem Pan dá grande espaço, industrias do cigarro e álcool entre outros setores que apoiam esta mentira assassina! Chega de proibição morte e guerra! A porta de entrada para outras drogas é o álcool e a proibição!

    O Brasil tem uma das melhores políticas no mundo de combate a AIDS. Por que não adota a mesma lucidez na política das drogas?

    Por que este gigantesco equívoco de tratar problemas com drogas com polícia e violência ao invés de prevenção e tratamento?

    Se o Ministério da Saúde ao invés de realizar uma campanha realista para minimizar o problema da AIDS aceitasse os argumentos dos moralistas e religiosos fundamentalistas de não distribuir camisinhas e realizar campanhas falso moralista o resultado seria exatamente o oposto: explosão da AIDS no Brasil e não redução.

    A Guerra às Drogas é uma terceira guerra mundial velada que é incentivada pela mídia.

    A mídia mundial fomentava e ainda incentiva esta TERCEIRA GUERRA MUNDIAL que vivemos desde que a ONU junto com todos os seus países signatários declararam em 1961, através da pressão americana, a GUERRA AS DROGAS a qual até hoje não foi colocado um fim. Já são 52 anos de guerra com um número sem precedentes de óbitos. A MIDIA MUNDIAL tomou uma posição em favor desta guerra criando sensacionalismo, propagando mentiras e inverdades além de esconder fatos e notícias que mudariam o curso desta guerra sangrenta fundamentada como sempre nos lucros.

    A criminalização das drogas tem como efeito colateral: morte, prisões, corrupção e insegurança. Populariza de uma forma generalizada a criminalidade e em conseqüência: a violência. Basta apenas estudar um pouco sobre o que ocorreu na Guerra Civil Americana da Lei Seca que se estendeu por 13 anos com uma explosão enorme da criminalidade, corrupção e óbitos. O degrau para a criminalidade fica muito baixo visto que basta um individuo vender ou usar uma substância que existe uma grande demanda para ele se tornar um inimigo do Estado, um bandido. Esta popularização e pulverização da criminalidade é uma fábrica de criar marginais e bandidos onde toda a sociedade perde.

    As drogas deveriam nos países democráticos ser vendidas, para maiores de idade, em drogarias ou farmácias. Produzidas por empresas farmacêuticas onde seria possível controlar a pureza das substâncias exigindo dos usuários uma avaliação periódica de um médico onde seriam informados sobre os riscos do uso, formas de tratamento e redução de danos e aí sim receberiam a sua receita para compra. Os governos arrecadariam as suas altas taxas de impostos que deveriam ser destinadas para a saúde, educação, propaganda negativa e tratamento. Com este modelo falido de guerra, esta gigantesca verba vai para a marginalidade criando uma enorme e rica estrutura de crime e corrupção enquanto que a sociedade e o estado só recebem os custos e as mazelas.
    As drogas nunca deveriam ser motivo de ação militar ou policial. É uma questão de doença e saúde com o tratamento baseado na medicina e apoio religioso. A mídia e a Jovem Pan deveriam propagar e mostrar estas verdades visto que a mesma tem um papel importantíssimo na estabilidade mundial. A comunicação é fundamental para a paz.

    Segue alguns documentários sérios e informativos sobre o tema. Vamos incentivar a paz e a harmonia chega de sensacionalismo, mentira e falso moralismo.

    “Quebrando o Tabu” – Fernando Grostein Andrade.

    “Cortina de Fumaça” – Rodrigo Mac Niven.

    “Maconha a Cura do Câncer” – original: “What if Cannabis Cured Cancer?” – Len Richmond.

    “O Sindicato, O Negócio Por Trás do Barato” – original: “The Union: The Business behind Getting High” – Brett Harvey.

    “Run From the Cure, A História de Rick Simpson”.

    “Weed “- CNN Special Dr Sanjay Gupta 2013 Documentary.

  • Uma vergonha e assassina a postura da Jovem Pan em favor da Guerra às Drogas! Chega de mortes e enganação! Chega de Guerra às Drogas! Não se faz guerra contra substâncias mas sim contra pessoas.

    Ser contra a regulamentação da maconha é ser a favor da manutenção deste estado de guerra insano. A imprensa tem culpa direta na criação e na manutenção deste estado de guerra apoiando mentiras e inverdades e o mundo esta acordando mas a Jovem Pan continua atrelada a mentira e às mortes.

    O álcool, o tabaco, o sal, o açúcar, os hormônios injetados nos animais, os agrotóxicos são muito mais perigosos que a maconha. A maconha nunca matou ninguém mas sua proibição milhares. Ah, mas ela pode desencadear esquizofrenia, só que a esquizofrenia é genética e acomete apenas 01 % da população!! Qual a taxa de pessoas hipertensas e diabéticas então vamos proibir e criminalizar o sal e o açúcar!!!

    A maconha faz mal sim para o bolso de alguns setores poderosos como: Industria farmacêutica, industria das armas, industria das clinicas de recuperação encabeçada por Ronaldo Laranjeiras com seus 114 milhões para tratar drogados a qual a Jovem Pan dá grande espaço, industrias do cigarro e álcool entre outros setores que apoiam esta mentira assassina! Chega de proibição morte e guerra! A porta de entrada para outras drogas é o álcool e a proibição!

    O Brasil tem uma das melhores políticas no mundo de combate a AIDS. Por que não adota a mesma lucidez na política das drogas?

    Por que este gigantesco equívoco de tratar problemas com drogas com polícia e violência ao invés de prevenção e tratamento?

    Se o Ministério da Saúde ao invés de realizar uma campanha realista para minimizar o problema da AIDS aceitasse os argumentos dos moralistas e religiosos fundamentalistas de não distribuir camisinhas e realizar campanhas falso moralista o resultado seria exatamente o oposto: explosão da AIDS no Brasil e não redução.

    A Guerra às Drogas é uma terceira guerra mundial velada que é incentivada pela mídia.

    A mídia mundial fomentava e ainda incentiva esta TERCEIRA GUERRA MUNDIAL que vivemos desde que a ONU junto com todos os seus países signatários declararam em 1961, através da pressão americana, a GUERRA AS DROGAS a qual até hoje não foi colocado um fim. Já são 52 anos de guerra com um número sem precedentes de óbitos. A MIDIA MUNDIAL tomou uma posição em favor desta guerra criando sensacionalismo, propagando mentiras e inverdades além de esconder fatos e notícias que mudariam o curso desta guerra sangrenta fundamentada como sempre nos lucros.

    A criminalização das drogas tem como efeito colateral: morte, prisões, corrupção e insegurança. Populariza de uma forma generalizada a criminalidade e em conseqüência: a violência. Basta apenas estudar um pouco sobre o que ocorreu na Guerra Civil Americana da Lei Seca que se estendeu por 13 anos com uma explosão enorme da criminalidade, corrupção e óbitos. O degrau para a criminalidade fica muito baixo visto que basta um individuo vender ou usar uma substância que existe uma grande demanda para ele se tornar um inimigo do Estado, um bandido. Esta popularização e pulverização da criminalidade é uma fábrica de criar marginais e bandidos onde toda a sociedade perde.

    As drogas deveriam nos países democráticos ser vendidas, para maiores de idade, em drogarias ou farmácias. Produzidas por empresas farmacêuticas onde seria possível controlar a pureza das substâncias exigindo dos usuários uma avaliação periódica de um médico onde seriam informados sobre os riscos do uso, formas de tratamento e redução de danos e aí sim receberiam a sua receita para compra. Os governos arrecadariam as suas altas taxas de impostos que deveriam ser destinadas para a saúde, educação, propaganda negativa e tratamento. Com este modelo falido de guerra, esta gigantesca verba vai para a marginalidade criando uma enorme e rica estrutura de crime e corrupção enquanto que a sociedade e o estado só recebem os custos e as mazelas.
    As drogas nunca deveriam ser motivo de ação militar ou policial. É uma questão de doença e saúde com o tratamento baseado na medicina e apoio religioso. A mídia e a Jovem Pan deveriam propagar e mostrar estas verdades visto que a mesma tem um papel importantíssimo na estabilidade mundial. A comunicação é fundamental para a paz.

    Segue alguns documentários sérios e informativos sobre o tema. Vamos incentivar a paz e a harmonia chega de sensacionalismo, mentira e falso moralismo.

    “Quebrando o Tabu” – Fernando Grostein Andrade.

    “Cortina de Fumaça” – Rodrigo Mac Niven.

    “Maconha a Cura do Câncer” – original: “What if Cannabis Cured Cancer?” – Len Richmond.

    “O Sindicato, O Negócio Por Trás do Barato” – original: “The Union: The Business behind Getting High” – Brett Harvey.

    “Run From the Cure, A História de Rick Simpson”.

    “Weed “- CNN Special Dr Sanjay Gupta 2013 Documentary.