Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A juíza aposentada Maria Lucia Karam afirmou nesta sexta-feira (23) que o discurso da punição e da prisão no Brasil para o uso e tráfico de drogas ainda é mantido por parecer ser uma solução fácil para o problema. Segundo a jurista, que integra o Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCcrim) e dos Agentes da Lei contra a Proibição das Drogas (Leap-Brasil), há um interesse em manter o sistema atual de drogas no país, pois há quem ganhe com isso. Para ela, não há distinção se quem lucra é quem atua no mercado ilegal das drogas, dos bancos que recebem as quantias de dinheiro, ou dos “poderosos do mundo, que tem esse grande instrumento de controle dos oprimidos”. Durante o painel sobre políticas de drogas, do Seminário Nacional sobre Processo Penal e Democracia, Karam afirma que “a guerra às drogas é o grande instrumento de exclusão, de controle dos oprimidos”, em todos os governos. Ela ainda frisa que o Brasil é o país mais atrasado na discussão sobre a legalização das drogas na América Latina. A magistrada destaca exemplos de países como o Uruguai, que está prestes a legalizar o uso, comércio e cultivo da maconha. “O Brasil está muito atrasado em termos de governantes para propor essa discussão. Ao contrário, o que existe no Congresso é um Projeto de Lei (7663) que pretende agravar mais ainda a repressão”.

Leia também:  Cadê a Maconha Medicinal? Ministério Público Federal pede prisão do Ministro da Saúde e do Secretário de Saúde, por não fornecer maconha a pacientes

Leia Juiz baiano diz que Lei de Drogas pode ser considerada inconstitucional

A juíza afirma que descriminalizar a maconha para uso pessoal não resolve o problema, por manter intacto todo o sistema de proibição. “A ilegalidade da produção e do comércio vai manter intacta toda a violência, toda a fonte de corrupção e os danos à saúde”, analisa. Ela cita como exemplo, o caso do México, que descriminalizou o uso da maconha, mas que isso não foi suficiente para mudar o cenário de quase 70 mil mortes nos últimos seis anos. “É preciso trazer para a luz do dia todas essas atividades, de forma controlada, regulada, para que elas se desenvolvam normalmente, como se desenvolve o comércio de outras drogas, como o álcool, o tabaco e a cafeína”. Ao ser questionada se o Brasil está preparado para uma legalização total das drogas, a juíza militante pelo fim da proibição das drogas no mundo, afirma que sim. “Preparado todo mundo está. O que ninguém devia estar preparado é para a violência, para as dores, para as penas da proibição. Mas nós todos estamos preparados. O importante é ter consciência e vontade para fazer a legalização”, diz. Outro problema do comércio ilegal das drogas apontado por ela é a falta de controle de qualidade. Ela considera que a falta do controle de qualidade traz danos à saúde e ao meio ambiente. “O produtor clandestino não vai se preocupar com o meio ambiente, ele vai se preocupar em fazer as coisas para não ser descoberto, sem maiores cuidados”, frisa. Para Maria Lucia, a Lei de Drogas no Brasil precisa ser revogada, assim como as Convenções 61, 71 e 88 da ONU que proíbem o uso e comércio de drogas, porque “a proibição é incoerente por natureza”. “É uma política globalizada, que precisa ser superada mundialmente. A proibição produz maiores danos e sofrimentos do que a própria droga. É você querer um remédio que é pior que a própria doença”, pontua.

Leia também:  Debate na Câmara: médicos e acadêmicas divergem sobre liberação da maconha

Por Cláudia Cardozo,
via Bahia Notícias

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here