Laboratórios estrangeiros consultaram o governo uruguaio sobre a futura produção de maconha no país, após a regulamentação em dezembro do mercado da droga, interessados na compra da planta para fins medicinais, informou a imprensa local.

Empresários canadenses entraram em contato com políticos uruguaios e organizações sociais para apresentar seus projetos de compra de cannabis, enquanto a Junta Nacional das Drogas (JND) mantém contato com laboratórios de Israel e do Chile, segundo informações do jornal El Observador.

“É verdade que nos consultaram para se instalarem no Uruguai, o que implica um grande desafio”, declarou o secretário da presidência, Diego Cánepa, ao jornal, confirmando o interesse internacional.

“Apesar de este não ser o objetivo da lei, o Uruguai pode vir a ser um polo de biotecnologia. É uma área de inúmeras competências, mas que não tem sido desenvolvida”, acrescentou.

O Uruguai se tornou em dezembro o primeiro país a aprovar o controle do mercado da maconha e seus derivados, um inédito projeto promovido pelo presidente José Mujica.

Segundo a lei, os maiores de 18 anos podem cultivar a droga, consumi-la em clubes e comprá-la em farmácias, em todos os casos com limite e registro prévio do Estado.

Embora a lei já tenha entrado em vigor, o Poder Executivo trabalha em sua regulamentação para traçar todos os mecanismos necessários para a aplicação da lei.

Cánepa destacou que “até há um tempo pensava-se que a maconha medicinal só era utilizada como analgésico, mas agora há estudos sobre alguns de seus derivados que podem ser medicamentos”, o que incentiva o aumento das pesquisas sobre as propriedades medicinais da planta.

A Junta Nacional das Drogas estima que em setembro a primeira leva de produção entrará no mercado.

Via AFP / UOL