Galpões, apartamentos, prédios e depósitos que antes ficavam meses – ou até anos – sem vender passaram a ser alugados para produção de maconha no Colorado, movimentando ainda mais o mercado imobiliário. O preço pago chega até ao dobro da média. As informações são do O Globo.

Não levou nem 24 horas para que o corretor imobiliário Bob Costello vendesse um depósito de 12 mil metros quadrados com um vazamento no teto em Denver. Seu cliente pagou em dinheiro e pretende transformar a propriedade numa plantação interna de maconha.

— É uma loucura total — disse Costello. — Qualquer coisa que encontre, vendo imediatamente. Normalmente edifícios industriais ficavam no mercado durante meses ou anos (à espera de comprador).

Costello vendeu cinco depósitos em acordo pagos em dinheiro, a maioria deles para investidores buscando alugar o espaço para produtores de maconha, desde que a produção, posse e venda de marijuana para uso de lazer se tornou legal no estado do Colorado este ano. Ele também alugou cerca de 15 edifícios desde outubro para usos relacionados à maconha por um preço mais de o dobro acima da média do mercado, disse ele.

Legalização da maconha

O nascimento de uma indústria legal de maconha em partes dos Estados Unidos está gerando demanda por imóveis e abrindo novas oportunidades para investidores financiarem empresas que brotaram no novo segmento. Empresas e indivíduos com recursos estão comprando depósitos e investindo em sistemas de empacotamento, segurança, iluminação e testando o setor, ao passo que os bancos não estão dispostos a financiar operações com maconha porque o negócio ainda é ilegal na legislação federal.

A indústria da cannabis poderia gerar cerca de US$ 20 bilhões por ano se fosse legalizada nacionalmente, segundo Jeffrey Miron, professor de Economia da Universidade de Harvard. Uma proposta de Orçamento apresentada pelo governador John Hickenlooper em fevereiro projetou que as vendas de maconha para uso de lazer e medicinal no Colorado poderia alcançar até US$ 1 bilhão no ano fiscal que começa em julho, embora esse número esteja sendo revisado.

Renda tributária

As vendas vão gerar US$ 77 milhões em tributos estaduais e impostos de consumo no próximo ano fiscal, segundo previsão de pesquisadores da Assembleia Geral do Colorado.

— Acreditamos que parte das melhores e ainda não percebidas oportunidades virá de empresas secundárias e setores como o imobiliário — disse Peter Adams, diretor executivo do Rockies Venture Club, um grupo executivo de Denver que tenta conectar investidores e empreendedores. — Os garimpeiros na Corrida do Ouro não ganharam tanto dinheiro, mas os vendedores de enxadas e picaretas ficaram ricos.

Os investidores em geral têm que fazer melhorias nas propriedades para poder produzir maconha, e isso faz o preço dos aluguéis subir, disse Paul Isenbergh, corretor de imóveis em Denver. Os prédios precisam de uma amperagem maior do que a dos depósitos convencionais. Além disso, o interior tem que ter a luz do sol bloqueada para que os ciclos de crescimento não sejam interrompidos.

Aluguel mais caro

Isenbergh comprou um depósito de 845 metros quadrados em fevereiro com quatro sócios de Miami por US$ 750 mil. Gastou outros US$ 150 mil em melhorias, inclusive aumentando a capacidade elétrica necessária para a iluminação especial e sistemas de ar-condicionado e ventilação.

Ele está cobrado dos inquilinos quase US$ 200 pelo metro quadrado para alugar a propriedade em Denver. Isso representa quatro vezes mais a média do aluguel de um prédio industrial na cidade, segundo cálculos da Reis Inc.

— Isso realmente virou o mercado industrial do avesso, especialmente no caso dos velhos prédios — disse Isenbergh. — Há muito dinheiro fluindo para isso. Nesse instante, estou negociando com gente de Wall Street: indivíduos, fundos.

Ele também está buscando parceria com outros sócios para comprar terrenos em outros estados onde o uso medicinal ou de lazer da maconha é legal, como Washington e Arizona.