Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Tratamento » Uma cepa de maconha medicinal com baixo nível de THC interrompe convulsões em crianças com epilepsia grave.

Toda semana, um tutor vem à casa de April Sintz para ensinar Isaac de 7 anos a redigir suas cartas. Com um desenvolvimento atrasado devido a um distúrbio convulsivo raro, ele é capaz de compreender as formas e sons, mas logo se esquece deles.

“É um passo em frente e dois passos para trás”, disse Sintz, que não perdeu a esperança de Isaac ainda ler um dia. Ela também não desistiu de sua busca por um tratamento à base de “ervas” – disponível apenas em um dispensário de maconha medicinal no Colorado – que fez milagres para algumas crianças com formas severas e intratáveis de epilepsia.

Sintz é membro da “Hope 4 Children With Epilepsy” [Esperança Para Crianças Com Epilepsia], um grupo de mães mórmons em Utah que agora encontraram um deputado disposto a ajudá-las a obter uma forma de importar legalmente extrato de planta de cannabis.

“Não é uma droga, não é maconha medicinal”, disse o deputado Gage Froerer, de Huntsville.

A planta, cultivada pela organização sem fins lucrativos “Realm of Caring” em Colorado Springs, é rica em canabidiol (CBD), mas pobre em tetrahidrocanabinol (THC), o componente químico psicoativo da maconha que dá a “onda” aos usuários.

É tão baixa em THC, na verdade – que contém 0,5 por cento de THC e 17 por cento de CBD, de acordo com o website da Realm of Caring – que o dispensário estava tendo problemas para encontrar um mercado para ela. Então os funcionários encontraram Charlotte Paige, uma jovem de uma família de militares conservadores em Colorado com síndrome de Dravet, a mesma doença que Isaac tem.

Doses regulares do extrato à base de óleo da planta pararam a progressão da doença de Charlotte, como mostrado no documentário “Weed” da CNN.

Depois de tomá-lo, ela passou de 300 ataques por semana para um, no máximo, de acordo com o documentário. Anteriormente catatônica, ela agora está andando, comendo, conversando e brincando.

Trazer o extrato para Utah pode não necessitar de legislação, disse Froerer, o mesmo legislador que pressionou a proibição de uma forma sintética da maconha, “spice”. Mas ele se comprometeu a patrocinar um projeto de lei, se necessário.

Primeiro, ele está buscando apoio do “Utah Substance Abuse Advisory Council” [Conselho Consultivo sobre Abuso de Substâncias de Utah] para tratar o extrato como algo diferente de uma substância controlada, permitindo que as famílias o importem sem o risco de serem presas.

Ele está o chamando de “Alepsia”, fazendo referência à epilepsia. Froerer afirma que os níveis de THC na Alepsia são os mesmos que aqueles encontrados no cânhamo industrial e em seus óleos e proteínas, os quais são utilizados em produtos de venda livre como cremes e sabonetes.

Nada na lei federal ou estadual proíbe a venda ou uso dos produtos de cânhamo, disse Froerer.

“Elas podem ir até o Colorado agora e trazê-lo”, disse ele. “Mas não quero fazer nada que possa ser percebido como violação da lei.”

Vinte estados permitem o uso medicinal da maconha. Colorado e Washington também permitem o uso recreativo da droga.

Nenhum estado tem uma legislação que mencione especificamente o uso de cannabis com alto índice de CBD na forma oral concentrada, de acordo com a “Epilepsy Association of Utah” [Associação de Epilepsia de Utah].

“Utah tem a oportunidade de ser inovador”, disse a presidente da associação, Annette Maughan, cujo filho de 6 anos de idade também sofre de uma epilepsia intratável.

“Estamos desesperados em nossa necessidade dessa legislação acontecer nesta sessão. Nossas crianças estão aguardando apreensivas a cada dia”, disse ela em um comunicado.

Não houve nenhum ensaio clínico randomizado com a Alepsia.

Mas há evidências de estudos com animais e estudos clínicos limitados em humanos de que a maconha e seus canabinóides têm efeitos anti-epilépticos, de acordo com um artigo de 2001 na revista Epilepsia. “Estes podem ser específicos para crises parciais ou tônico-clônicas [grande mal]”, disse.

Uma empresa farmacêutica, a GW Pharmaceuticals, está realizando testes de investigação com um medicamento à base de CBD. Mas poderia levar uma década para ele para ganhar a aprovação, tarde demais para as crianças como Isaac.

Síndrome de Dravet é uma forma rara e de difícil tratamento de epilepsia caracterizada pelo número e a gravidade das crises, às vezes centenas por dia, com duração de 45 minutos ou mais.

Tradução: SmokeBud
Via, The Salt Lake Tribune

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

pessoas


Curte nossa nova página no Facebook

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here