Uruguai tá no foco, com um presidente carismático e algumas leis liberais, o diretor de turismo do pais disse recentemente, ao portal G1, que não é objetivo da lei da maconha atrair o turismo. Decreto que regula produção e venda foi assinado nesta semana.

A regulamentação do cultivo e da venda de maconha no Uruguai ajudou a projetar o país internacionalmente, mas turistas não devem ir para lá pensando que vão se beneficiar da nova lei.

O decreto assinado pelo presidente José Mujica nesta terça-feira (6), que autoriza o Estado a controlar o cultivo e a venda da droga, permite que apenas pessoas de nacionalidade uruguaia ou com residência permanente no país se registrem para comprar o entorpecente legalmente.

Para o diretor nacional de Turismo do Uruguai, Benjamin Liberoff, a regularização da maconha — junto com outras leis liberais (como autorização do casamento gay) e a personalidade excêntrica do presidente José Mujica – ajuda a divulgar o país no exterior, mas apenas de forma indireta.

“Que nosso presidente seja uma imagem carismática é importante pra promoção do país. O fato de sermos uma sociedade aberta também ajuda notoriamente no turismo. Mas o objetivo [da lei da maconha] não é, em absoluto, tornar-se um fator atrativo para turistas”, disse Liberoff ao G1, em passagem por São Paulo para participar de um evento.

No início deste ano, após a promulgação da lei, o jornal uruguaio “El Observador” publicou uma reportagem relatando que turistas brasileiros e de outras nacionalidades vinham procurando por maconha em farmácias de Punta del Este.

Para Liberoff, a falta de informação é um risco que se corre “quando uma medida que implica mudança é manejada massivamente”.

“É um tema delicado, complexo, e sempre há um risco de que se divulgue de forma equivocada. Mas deve ser tratado de forma séria. É um novo caminho que buscamos, e pedimos a compreensão da comunidade internacional”, disse.

Ilustração de capa: Alpino