Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

A possibilidade da descriminalização da maconha divide médicos psiquiatras. Por um lado, o psiquiatra Dartiu Xavier, professor titular da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e diretor do Programa de Orientação e Assistência a Dependentes (Proad), defende a descriminalização da maconha há 30 anos sob o argumento de que estudos apontam que só 9% dos usuários da droga terão algum problema de saúde, como diminuição do raciocínio, da concentração, ou desenvolverão algum problema mental. “É a exceção, não é regra. O potencial danoso do consumo de álcool é muito maior”, afirma ele.

Por outro lado, o psiquiatra Valentin Gentil Filho, professor titular da Universidade de São Paulo (USP), é contra a descriminalização e afirma que os riscos à saúde existem, como depressão e psicoses, especialmente nas pessoas com alguma predisposição.

Leia também:  High Times promove copa canábica em Santa rosa, na Califórnia

“Quanto mais precoce, mais forte e mais frequente o consumo da maconha, maior o risco do surgimento de problemas de saúde, muitos deles irreversíveis, como quadro psicóticos de esquizofrenia”, exemplifica o professor Gentil, que diz que o consumo de maconha não é mais seguro do que o de álcool.

Xavier diz acreditar que a liberação da droga não faria aumentar o número de dependentes. “No começo aumentaria o consumo pela curiosidade das pessoas. Mas, com o tempo, a tendência é de queda”, afirma.

Já Gentil diz acreditar que haveria sim um aumento no número de dependentes e que o Estado gastaria muito mais para tratar a saúde dessas pessoas. “E, ainda assim, quanto você conseguiria reverter de uma esquizofrenia?”, pergunta.

Leia também:  Para elas: Lubrificante de maconha promete orgasmos múltiplos

Os dois defendem que exista um amplo debate sobre o tema. O professor Xavier diz que o fato de apoiar a descriminalização da maconha não significa que ele faz apologia ao uso da droga. “Ninguém vai parar de usar droga só porque ela é proibida.” O professor Gentil diz ser favorável ao debate amplo, e não apenas para resolver um problema do judiciário. “Não dá para simplesmente descriminalizar a maconha sem pensar no impacto disso na saúde das futuras gerações”, diz.

Via O Estado de São Paulo

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here