A possibilidade da descriminalização da maconha divide médicos psiquiatras. Por um lado, o psiquiatra Dartiu Xavier, professor titular da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e diretor do Programa de Orientação e Assistência a Dependentes (Proad), defende a descriminalização da maconha há 30 anos sob o argumento de que estudos apontam que só 9% dos usuários da droga terão algum problema de saúde, como diminuição do raciocínio, da concentração, ou desenvolverão algum problema mental. “É a exceção, não é regra. O potencial danoso do consumo de álcool é muito maior”, afirma ele.

Por outro lado, o psiquiatra Valentin Gentil Filho, professor titular da Universidade de São Paulo (USP), é contra a descriminalização e afirma que os riscos à saúde existem, como depressão e psicoses, especialmente nas pessoas com alguma predisposição.

“Quanto mais precoce, mais forte e mais frequente o consumo da maconha, maior o risco do surgimento de problemas de saúde, muitos deles irreversíveis, como quadro psicóticos de esquizofrenia”, exemplifica o professor Gentil, que diz que o consumo de maconha não é mais seguro do que o de álcool.

Xavier diz acreditar que a liberação da droga não faria aumentar o número de dependentes. “No começo aumentaria o consumo pela curiosidade das pessoas. Mas, com o tempo, a tendência é de queda”, afirma.

Já Gentil diz acreditar que haveria sim um aumento no número de dependentes e que o Estado gastaria muito mais para tratar a saúde dessas pessoas. “E, ainda assim, quanto você conseguiria reverter de uma esquizofrenia?”, pergunta.

Os dois defendem que exista um amplo debate sobre o tema. O professor Xavier diz que o fato de apoiar a descriminalização da maconha não significa que ele faz apologia ao uso da droga. “Ninguém vai parar de usar droga só porque ela é proibida.” O professor Gentil diz ser favorável ao debate amplo, e não apenas para resolver um problema do judiciário. “Não dá para simplesmente descriminalizar a maconha sem pensar no impacto disso na saúde das futuras gerações”, diz.

Via O Estado de São Paulo