Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

O crack preocupa muito pelo alto grau de dependência que causa e seus efeitos devastadores, fazendo a pessoa perder apetite, peso, libido sexual, prazeres, caindo numa constante “fissura”, que leva ao uso ininterrupto até que acabe o estoque da droga ou a exaustão do usuário. O efeito do crack é muito prazeroso, mas dura pouquíssimo tempo, gerando logo a fissura por mais quantidade. Esta é a conclusão da faramacêutica e pesquisadora Tharcila Viana Chaves em sua dissertação de mestrado no Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São Paulo.

Recentemente, o governo do Presidente do Uruguai José Mujica apresentou projeto de segurança pública ao Parlamento voltado para a redução de consumo do crack, da violência e da força do narcotráfico, através da maconha. O Estado passaria a vender 40 cigarros de maconha por mês por pessoa. Assim, o governo uruguaio entende que, com o uso de maconha, vai enfraquecer a venda de crack e reduzir a violência. Pois milhões de pessoas passam a usar crack, caindo rapidamente em sua dependência, pela falta de maconha, retirada, propositadamente, pelos cartéis, que controlam a distribuição das drogas tornadas ilícitas, como classifica a Juíza Maria Lúcia Karan.

Leia também:  Conheça a História da Maconha!

Em São Paulo, 2010, o psiquiatra Dartiu Xavier da Silveira, diretor do Programa de Orientação e Tratamento a Dependentes da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) realizou pesquisa com 50 dependentes de crack com o uso de maconha. Todos trocaram o crack pela maconha e 68 % depois deixaram, inclusive, de fumar maconha. A maconha tem um grau fraco ou nulo em classificações de grau de dependência e seu uso é estratégico para sair da dependência do crack. Relaxa, abre o apetite, tem efeito afrodisíaco e favorece a homeostase, em outras palavras, o equilíbrio do sistema fisiológico.
No Rio de Janeiro, como em outros lugares do mundo, esse drama mistura-se à miséria, gerando um cenário urbano terrível em plena luz do dia. Há jovens, crianças e adolescentes grávidas prostituídas por cinco reais, o preço instigante da pedra do crack.

A política de internação compulsória, além de inconstitucional, vira apenas mais um aparelho da repressão, ainda mais num país que pretende anistiar seus torturadores sem saber da verdade. Alternativamente, podemos levar à Câmara dos Vereadores a proposta de mobilização da sociedade com a participação de ativistas, vítimas, neurocientistas, psiquiatras, juristas acerca da combinação de dois programas: políticas sociais de erradicação da miséria combinadas com o uso da maconha como porta de saída para a dependência do crack.

Leia também:  José Wilker estrela um filme falando de maconha e Copa Cannabica na comédia: Casa da Mãe Joana 2

Esse debate é baseado no artigo 2º da Lei 11343/2006, especificamente em seu parágrafo único: “ Pode a União autorizar o plantio, a cultura e a colheita dos vegetais referidos no caput deste artigo, exclusivamente para fins medicinais ou científicos, em local e prazo predeterminados, mediante fiscalização, respeitadas as ressalvas supramencionadas.”

Vamos levar este debate à Câmara dos Vereadores, em plena Cinelândia, apertando um, três, quatro e vinte no dia da eleição!

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here