Pena que no Brasil haja tão pouco interesse em discutir uma alternativa que ponha “business” onde só há violência.

As ações da empresa MediSwipe deram um tremendo salto nesta semana na bolsa de mercadorias dos Estados Unidos: espetaculares 70%, índice notável mesmo ao se levar em conta que as bolsas norte-americanas tiveram um 2013 bastante positivo.

O que faz a MediSwipe para tornar-se subitamente tão atraente? Ela, em si, nada de marcante. Fornece sistemas de pagamento para a indústria médica.

O que atraiu investidores foi uma cooperativa por ela criada no Estado do Colorado para trabalhar especificamente com a indústria da maconha (marijuana, cannabis ou como se queira chamar). Não por acaso, na véspera do “boom” das ações da MediSwipe, o Colorado tornara-se o primeiro Estado dos EUA a liberar a maconha para lazer.

No país em que o “business” é a alma do negócio, com perdão da redundância, é natural que a novidade logo tivesse uma tradução empresarial. Afinal, o potencial do mercado de marijuana em cinco anos é de US$ 10 bilhões (R$ 23 bilhões), segundo pesquisa do centro ArcView (pesquisas sobre tudo e sobre todos são outra faceta onipresente na sociedade norte-americana).

O sucesso, pelo menos provisório, da MediSwipe pode significar que o entorno da maconha deixará de ser criminoso e se tornará um negócio como outro qualquer, como a venda de álcool, outra droga, como chegou a comparar a BBC?

As autoridades do Colorado acreditam que sim, como é óbvio: calculam que as vendas no Estado poderão chegar a US$ 580 milhões por ano (R$ 1,36 bilhão), gerando US$ 67 milhões em impostos (R$ 157 milhões), a serem empregados em escolas, estradas e outros projetos.

Acreditam, ainda, que pouparão algo em torno de US$ 60 milhões (R$ 140 milhões) em gastos até agora alocados para aplicar as leis de combate às drogas.

O argumento mais poderoso a esse respeito, no entanto, vem do setor privado, mais precisamente de Michael Elliott, diretor-executivo do Grupo da Indústria Médica da Marijuana do Colorado:

“Tivemos 40 anos de guerra às drogas, gastamos um trilhão de dólares. E o que temos? A marijuana é universalmente disponível, temos a mais alta taxa de prisões do mundo e as vendas são dominadas por pessoas que usam a violência para vender drogas, exatamente como Al Capone fazia durante a proibição do álcool. Agora estamos criando negócios que prestam contas e são transparentes”, disse ao “Independent”.

É rigorosamente o mesmo argumento do presidente do Uruguai, José Mujica, para justificar o projeto recentemente aprovado que legaliza a produção e a venda de maconha sob controle do Estado: “O projeto busca uma alternativa para lutar contra o narcotráfico ante a evidência de que, pelo lado da repressão, a batalha está perdida em todo o mundo, e faz tempo”.

Os contrários à nova lei podem negar valia a ela, mas não discutem que a repressão, pura e simples, não funciona ou nunca funcionou.

Pena que no Brasil haja tão pouco interesse em discutir uma alternativa que ponha “business” onde só há violência.

Via Folha de S.Paulo
Por Clóvis Rossi, repórter e membro do Conselho Editorial da Folha.