Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Jogadores podem propor retirada da maconha da lista de substâncias proibidas pela NBA.  Segundo o site TMZ, entre dez jogadores ouvidos, todos se mostraram favoráveis a liberação da maconha por parte da NBA. As informações são do Lance Net, escrita por Lucas Pastore.

Não demorou para que o debate sobre a legalização da maconha nos Estados Unidos – sua venda e consumo já são liberados em alguns estados sob prescrição médica e até para fins recreativos em outros – chegasse ao mundo do esporte. O site americano TMZ ouviu dez jogadores da NBA e todos se disseram a favor da legalização por parte da liga.

A reportagem da TMZ – que é um site sobre celebridades, e não sobre esportes – usou como gancho um vídeo em que Kevin Durant, jogador do Oklahoma City Thunder e uma das maiores estrelas da NBA, aparece derrubando um pote supostamente contendo maconha ao sair de uma balada em Hollywood.

Ouvida pela reportagem do TMZ, a Associação de Jogadores da NBA confirmou que o assunto pode ser levado a debate no encontro para o próximo acordo coletivo da liga, que deve acontecer em 2017. A princípio, a entidade deve propor que, ao menos, o consumo sob prescrição médica seja liberado para os atletas.

Será possível imaginar que a NBA pode remover a maconha da sua lista de substâncias ilegais? Por um lado, a liga profissional americana de basquete é considerada mais progressista que outras no país, como a NFL e a MLB. Por outro, desde a gestão de David Stern, antecessor do atual comissário Adam Silver, o código de conduta dos jogadores ficou muito severo e até para escolher a vestimenta pré e pós-jogo os atletas têm de obedecer regras.

Em 2008, em encontro chamado de Programa de Transição para Novatos, Michael Beasley, do Miami Heat, teve de pagar multa de US$ 50 mil por ser flagrado com maconha e com mulheres sem autorização para estarem no resort em que o atleta estava hospedado. Mario Chalmers, seu companheiro na franquia da Flórida, e Darrell Arthur, então do Memphis Grizzlies, foram multados em US$ 20 mil cada por seus envolvimentos com o incidente. Os três ainda foram expulsos do evento.

No ano seguinte, Rashard Lewis, então no Orlando Magic, foi flagrado com níveis elevados de testosterona em seu organismo e suspenso por dez jogos por violar a política antidoping da NBA.

Ouvindo pelo LANCE! Livre, o Dr. Bernardino Santi, especialista em doping da Academia LANCE!, disse ser a favor da manutenção da maconha no quadro de substâncias proibidas, já que este deve ser elaborado sob três pontos de vista: esportivo, médico e ético.

A tomar com base os dois casos expostos acima, a NBA parece estar muito mais preocupada com sua imagem em casos envolvendo a faceta ética – como o de Beasley, Chalmers e Arthur – do que os que envolvem a faceta esportiva – como o de Lewis. A punição no primeiro exemplo foi relativamente mais severa do que no segundo quando comparadas às propostas por outros códigos antidoping.

Em relação ao ponto de vista médico, se a possibilidade do consumo de maconha causar danos neurológicos é utilizada como argumento a favor da proibição em esferas esportivas, então o cigarro e o álcool também deveriam constar entre os proibidos, já que também têm efeitos comprovadamente nocivos. Não é o caso.

Sob o ponto de vista ético, principal preocupação da NBA, se os estados americanos estão mostrando-se prontos para a legalização, será que não é hora da liga, ao menos, mostrar-se aberta à discussão?

Debate que, até 2017, deve ganhar cada vez mais força ao redor da liga americana de basquete.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

pessoas


Curte nossa nova página no Facebook

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here