Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Dr. André Barros, candidato a deputado estadual pelo PSOL / RJ nº 50420, mestre em ciências penais e advogado da Marcha da Maconha, levanta  a questão em que o hipócrita discurso de combate ao tráfico de drogas varre as comunidades em busca da chamada nova “classe C”.

Até os anos 80, só se vendia maconha nos morros cariocas: prova disso é que os lugares se chamavam “Boca de Fumo” e “Vapor”, nomes ligados à fumaça. Em 1981, junto com pesado armamento, entra a cocaína nas bocas que antes vendiam só maconha. O tráfico fortemente armado começou a estabelecer suas regras nas favelas, tornando-se um verdadeiro poder sobre as vidas dos moradores.

No início desse século, prometendo combater o tráfico, surgem as milícias, grupo de policiais paramilitares, que cobram taxas de proteção, de gás, luz, internet e TV a cabo.

Já nos fins da primeira década desse século, o governo estadual, apoiado pelo governo federal, cria as UPP”s – Unidades de Polícia Pacificadora -, sob o argumento de que era necessário libertar os territórios das favelas do tráfico e da milícia.

Na realidade, estavam de olho na possibilidade da chamada nova classe “C” de começar a pagar pelos “gatos”, ligações clandestinas, de luz, internet e TV a cabo. Tive a oportunidade de presenciar, como membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB/RJ, a chegada, junto com essas UPP’s, de funcionários da SKY, logo depois da entrada das forças de repressão. Um exército de vermelho constrangendo os moradores a assinarem a TV a cabo legalizada.

A maior reclamação nas comunidades é pela conta de luz*. Antes, em torno de poucos 20 (vinte) reais, passou para 300 (trezentos) a 500 (quinhentos) reais. Qual a finalidade de cobrança tão absurda? Será que esta é uma estratégia de retirada dos moradores de suas casas por intermédio da cobrança de luz?

Toda essa questão é levantada com o hipócrita discurso de combate ao tráfico de drogas. Combatido apenas na ponta da venda e compra dos pobres, principalmente da maconha, a droga tornada ilícita mais consumida. Enquanto isso, beneficiados exatamente pela ilegalidade, poucos milionários com o monopólio da produção distribuem toneladas de drogas em navios, aviões e caminhões de carga. Sendo eleito, vou promover o debate dessa cobrança absurda de luz na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro e da exploração da ilegalidade das drogas tornadas ilícitas pelo tráfico, milícias e UPP”s. Vamos denunciar a farsa de todo esse sistema penal punitivo, que só coloca na cadeia jovens, negros e pobres.

Leitura recomendada : Light Emite Contas Contraditórias e Serviço Questionável em Favelas com UPP

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.

Escreva seu comentário

DESCONSTRUA

Please enter your comment!
Please enter your name here